Página inicial AméricaArgentina Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu para 6 dias de viagem [com mapas]

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu para 6 dias de viagem [com mapas]

por Escolha Viajar
Obelisco de Buenos Aires à esquerda e Palácio Salvo de Montevidéu à direita

Em tempos de dólar em alta, nada melhor do que viajar pelos nossos vizinhos sul-americanos para não gastar demais nas férias. Dois dos destinos mais procurados pelos brasileiros no continente são Buenos Aires, capital da Argentina, e Montevidéu, capital do Uruguai. Ambas estão a uma curta distância de voo – em média, entre duas e três horas – e são ligadas aos nossos principais aeroportos por rotas diretas. O que nem todo mundo sabe, é que é possível visitar as duas em uma única viagem rápida e muito prática. Dá para fazer um roteiro completo em Buenos Aires e Montevidéu em só 6 dias!

⇒ GUIA DE VIAGEM BUENOS AIRES: Tudo que você precisa saber!
⇒ GUIA DE VIAGEM MONTEVIDÉU: Tudo que você precisa saber

Isso torna o passeio uma opção viável não apenas nas férias, mas também em folgas prolongadas e feriadões. E não precisa alugar carro e nem voar de uma para a outra. Para se deslocar entre elas, basta pegar o Buquebus, o ferry que atravessa o Rio da Prata e que percorre o trajeto em apenas 2h15. Além disso, dá para conhecer Buenos Aires e Montevidéu quase totalmente a pé, ou pegando um ônibus ou táxi aqui e ali. Para facilitar ainda mais o seu deslocamento, nossa sugestão de roteiro tem mapas passo a passo, rua a rua, dia a dia.

Outro fator que ajuda bastante é se hospedar em bairros estratégicos das cidades. No caso de Montevidéu, o local com melhor acesso a todas atrações é o centro histórico, ou Ciudad Vieja. Confira nossa sugestão de hospedagem econômica aqui. Em Buenos Aires, nossa recomendação é o boêmio bairro de San Telmo, que fica muito perto do centro e é bem servido de estações de metrô. Confira nossa sugestão de hospedagem econômica aqui. Gostou da ideia? Embarque conosco e comece a planejar seu roteiro em Buenos Aires e Montevidéu agora mesmo!

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 1

Seu primeiro dia de roteiro em Buenos e Montevidéu será dedicado a um gostoso passeio a pé pelo centro histórico – ou Ciudad Vieja – da capital uruguaia. O ponto de partida é a Plaza Independencia, que é o coração de Montevidéu e seu principal cartão-postal. A praça abriga a estátua equestre de José Artigas, o grande herói nacional uruguaio, e também seu mausoléu, uma construção grandiosa da época da ditadura que fica embaixo da estátua. A entrada é livre.

SEGURO VIAGEM com 5% de desconto
O Seguro Viagem é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e protege sua saúde no exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

⇒ Reserve já seu hotel em Montevidéu e garanta os melhores preços! ⇐

Ao redor da praça ficam alguns dos prédios mais icônicos de Montevidéu, como o Palácio Salvo e o Teatro Solís. O Palácio Salvo, na esquina com a avenida 18 de Julio,  foi inaugurado em 1928. Com os seus 95 metros e 27 andares, foi o edifício mais alto da América do Sul por vários anos. Para visitar o prédio por dentro, há visitas guiadas às terças, quintas e sábados, das 15h às 18h. Você pode reservar o seu passeio aqui por US$ 7,50.

Já o Teatro Solís, de 1856, é considerado o ‘irmão menor’ do Colón, de Buenos Aires, que você vai visitar mais adiante neste roteiro. De arquitetura baseada nos teatros italianos, o prédio foi restaurado em 2014 e é palco de tradicionais montagens de ópera a espetáculos contemporâneos de música e dança. Visitas guiadas estão disponíveis em diversos horários e idiomas (para maiores informações, consulte o site oficial).

Depois de visitados os dois prédios, você pode admirar a Puerta de la Ciudadela, único resquício da muralha que cercava a cidade até 1829. É dela que parte a Peatonal Sarandí, a principal rua de pedestres e uma das atrações de Montevidéu mais procuradas pelos turistas. Ela segue em linha reta desde a praça até a ‘rambla’ – o calçadão à beira do Rio da Prata. Ao longo da peatonal, há muitos vendedores de artesanatos e lembrancinhas, sebos, lojas, padarias, galerias de arte e restaurantes.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Plaza Independencia

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Na Plaza Constitución, faça uma parada para visitar a Catedral de Montevidéu. Mas você não precisa percorrer toda extensão da peatonal, cujo trecho final não é tão agradável assim com a proximidade da zona portuária. Nossa sugestão é: quando chegar à Calle Perez Castellano, dobre à direita e ande mais três quadras para visitar o Mercado del Puerto. Esta é parada obrigatória para todos que quiserem provar o melhor da culinária uruguaia.

Localizado entre as ruas Piedras e Perez Castellano, o mercado foi construído em 1868 no mesmo estilo de estrutura de metal que mais tarde se consagrou com a Torre Eiffel. O local tinha como propósito abrigar os vendedores de frutas, carnes, peixes e outros gêneros alimentícios. Mas o perfil do mercado mudou ao longo do século seguinte. Ele se tornou um ponto turístico gastronômico que reúne cerca de 20 restaurantes de comida típica uruguaia.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Catedral de Montevidéu

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Não existe lugar melhor na cidade para provar a famosa parrilla, a carne assada na grelha sobre as brasas. Ainda é possível provar o Medio y Medio, bebida patenteada pelo Mercado del Puerto e que consiste em uma refrescante e deliciosa mistura de champanhe e vinho branco. Pelo custo-benefício, o Escolha Viajar recomenda o restaurante Estancia del Puerto. O atendimento é ótimo, a comida excelente e os preços, maravilhosos. Um almoço para duas pessoas sai por cerca de US$ 45.

Depois de se fartar com a excelente comida uruguaia, sugerimos uma pequena caminhada de 15 minutos para fazer a digestão e seguir seu roteiro em Montevidéu até a última atração do dia. Ao sair do mercado, pegue a rua Piedras (aquela que tem uma fonte antiga na esquina) e siga até a rua Juan Carlos Gómez, onde você deve dobrar à direita até a rua Rincón e entrar nela à esquerda. Você estará quase na porta do Museu Andes 1972.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Mercado del Puerto

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

O acervo privado é dedicado à história do acidente aéreo que emocionou o mundo em 1972, quando um pequeno avião fretado caiu em meio à Cordilheira dos Andes levando um jovem time de rugby universitário do Uruguai. Depois de semanas de buscas infrutíferas, as 45 pessoas a bordo foram declaradas mortas. Mas, 72 dias após o desastre, dois passageiros foram resgatados com vida após caminharem por dias em meio às montanhas em busca de ajuda.

No total, 16 pessoas sobreviveram ao desastre, mas chocaram o mundo ao revelar a qual custo. Isolados no meio da neve e sem comida, eles foram obrigados a se alimentar da carne dos mortos na queda do avião. O Museu Andes 1972 reúne objetos originais do desastre ou similares usados na época, além de peças doadas pelos próprios sobreviventes e uma ampla explicação sobre o que causou o desastre e como foi possível sobreviver feita através de painéis explicativos e vídeos.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Museu Andes 1972

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

O museu abre de segunda à sexta, das 10h às 17h, e aos sábado até as 15h. O ingresso custa US$ 7. Para mais informações, acesse o site do museu. Depois da visita, está encerrado seu primeiro dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu. Volte para o hotel para tomar um banho e descansar um pouco. À noite, as opções para jantar são inúmeras, dependendo do quanto você quer gastar, onde está hospedado e de como quer se locomover.

Quem busca refeições mais sofisticadas deve ir em direção à rambla, onde há vários restaurantes com vista para o Rio da Prata. Quem busca algo prático e rápido pode ir ao shopping Punta Carretas e aproveitar para namorar algumas vitrines depois. Quem fica na região do centro histórico pode perambular pela Avenida 18 de Julio, onde há muitas opções a baixo e médio custo ao alcance de uma curta caminhada. Aproveite para dar um passeio pela Ciudad Vieja iluminada.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Plaza Cagancha

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 2

O roteiro em Buenos Aires e Montevidéu continua pela capital uruguaia no segundo dia. Comece indo até Pocitos, bairro onde fica a praia urbana mais bonita e popular da cidade e localizado a apenas 10 minutos de ônibus do centro. Para chegar até ela, basta pegar qualquer um dos coletivos que passam pela parada da Plaza Cagancha, na Avenida 18 de Julio, em que esteja escrito Pocitos. Ou um táxi/app de transporte, se o seu orçamento permite.

Pode até parecer piada para um brasileiro visitar uma praia tão feinha se comparadas às do nosso litoral, mas Pocitos faz parte da cultura e história da cidade e merece uma parada no seu roteiro em Montevidéu. Você verá os uruguaios relaxando ao sol com seus mates, as crianças brincando, aposentados curtindo a vista dos bancos da ‘rambla’, muita gente praticando esportes etc. Além disso, na ponta esquerda da praia fica o famoso letreiro ‘Montevideo’, onde todo mundo quer tirar foto.

Depois, é só voltar caminhando pela areia, sentindo a água geladíssima do Rio da Prata nos pés e admirando os edifícios que cercam a orla. Há poucos quiosques na praia, mas se quiser pode aproveitar sua manhã ou tarde para se deliciar com uma Norteña – a mais popular das cervejas uruguaias – com o vento do Prata soprando nos cabelos. Quando cansar da areia, é hora de circular pelas ruas charmosas do bairro.

Pocitos é o antigo point da alta sociedade local, e seus prédios construídos a partir dos anos 1950 dão ao lugar um ar de Copacabana. A rambla de pedras vermelhas também lembra um pouco o calçadão carioca. Você pode aproveitar um dos inúmeros restaurantes locais para almoçar e, na sobremesa, conhecer outra das delícias culinárias uruguaia: a torta Ramón Novarro, feita com chocolate e doce de leite. O doce é especialidade da cafeteria Cake’s, na rua José Ellauri 1067.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Praia de Pocitos

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Os preços não são dos mais convidativos, mas a cada mordida da Ramón Novarro você sentirá que valeu o gasto! Para fazer a digestão, é hora de uma revigorante caminhada pela rambla, na direção do centro da cidade – oposta à do letreiro ‘Montevideo’. A rambla é uma atração da cidade por si só e nada menos do que o mais longo calçadão do mundo, segundo a Wikipedia! Ela se estende por mais de 22 quilômetros às margens do Rio da Prata.

Calma, você não precisa caminhar tudo isso, hehe. Sugerimos um passeio pelo trecho mais popular dela, desde Pocitos até a Playa Ramirez. Não é todo mundo que se anima a andar por 3,3 quilômetros (cerca de 40 minutos), mas você pode fazer a caminhada no seu ritmo, parando para admirar a vista, tirar fotos, tomar uma cervejinha nos restaurantes pelo caminho etc. Outra opção é caminhar até onde você achar agradável e depois completar o trajeto de táxi/app, pois não há ônibus.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Playa Ramirez

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Uma vez em Playa Ramirez, que é um pequeno trecho de areia sem grande atrativos, você terá chegado também ao Parque Rodó, o refúgio verde mais charmoso e popular da capital uruguaia. Pequeno, arborizado e florido, é uma excelente opção para descansar um pouco à sombra durante seu roteiro em Montevidéu, especialmente se você tiver optado por fazer a caminhada de 40 minutos desde Pocitos, hehe. O parque abriga fontes, monumentos e uma lago artificial com pedalinhos.

O acesso é livre. Conforme o fim do dia se aproxima, é hora de se dirigir ao melhor lugar de Montevidéu para assistir ao famoso pôr do sol no Rio da Prata: o Farol de Punta Carretas. Você já passou por ele ao longo do dia, pois está localizado na rambla entre Pocitos e o Parque Rodó. Se estiver a fim de caminhar, seja pela primeira ou segunda vez no dia, são 2,5 quilômetros de volta pelo calçadão (cerca de 30 minutos). Se não, o táxi/app é novamente a opção para se locomover.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Farol de Punta Carretas

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Erguido em 1876, o farol de 21 metros de altura ainda guia os barcos pelas águas do Prata e sua luz atinge 15 milhas de distância. A entrada para visitação é das 10h ao pôr do sol. Não encontramos preços atualizados do ingresso, que custava US$ 1 em 2010, mas pode ter certeza de que não será caro. E, assim, você encerrará seu segundo dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu com a visão magnífica do sol encerrando o dia dele em um mergulho nas águas do Rio da Prata.

Para a noite, valem as mesmas opções do dia 1. Deixaremos uma sugestão de restaurante saborosa, gorda e com preços acessíveis. Trata-se da rede de fast food uruguaia La Pasiva. Lá, é possível comer os famosos chivitos, enormes sanduíches típicos, e beber Norteña (ou sua irmã menos amarga, a Patricia) gelada por menos de US$ 45 para duas pessoas. Há unidades em inúmeros pontos da cidade, mas recomendamos a que fica na bela Plaza Fabini, no centro histórico.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Restaurante La Pasiva

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 3

O roteiro em Buenos Aires e Montevidéu continua pela capital uruguaia no terceiro dia – mas não vai terminar nela. Vá até a Plaza Independencia – que você já visitou no dia 1 -, onde começa a 18 de Julio, a principal avenida da cidade e que liga o centro histórico ao Obelisco, em Tres Cruces. Percorrê-la é uma atração turística devido aos prédios históricos e belas praças localizados no seu percurso, embora a parte da via próxima do Obelisco esteja um tanto degradada.

Logo nas primeiras duas quadras do passeio você encontrará a Plaza Fabini, onde fica uma enorme fonte de bronze chamada Entrevero. Se destaca ainda o Palácio Lapido, em estilo expressionista alemão da década de 30 (número 948/950). Um pouco adiante está a Plaza Cagancha, toda arborizada, cheia de lampiões antigos e uma fonte charmosa. Logo em frente á Cagancha, no meio da avenida, fica o Pilar da Paz, que marca o quilômetro zero das estradas uruguaias.

Nessa parte da avenida, você vários prédios construídos entre os anos 1900 e 1920, com seus detalhes e cúpulas no topo, entre os quais se destaca o London-París (esquina com a Río Negro). Outra atração da avenida que vem logo a seguir é a Fonte dos Cadeados, na esquina com a Passeo Yí. Enquanto muitas cidades turísticas do mundo têm agido no sentido de proibir ou mesmo retirar os populares ‘cadeados do amor’, Montevidéu tem um lugar especial para eles.

A fonte de pedra foi instalada pelos proprietários do Bar Facal, outro reduto histórico da capital uruguaia, para atrair mais clientes. Mas, pouco depois ser colocada na calçada, ela começou a receber os primeiros cadeados do amor. Em vez de mandar retirá-los, os donos decidiram aproveitar o potencial turístico e mandaram instalar uma placa onde se lê:  ‘Si se coloca un candado con las iniciales de dos personas que se aman volverán juntas a visitarla y el amor vivirá para siempre’.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Plaza Fabini

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Hoje, a grade ao redor da fonte é completamente coberta por muitas camadas de cadeados. Se quiser colocar o seu, nem precisa carregar um durante todo seu roteiro em Montevidéu, pois várias lojinhas nos arredores vendem a tranca e gravam os nomes dos pombinhos na hora. Seguindo pela 18 de Julio, você encontrará o Palácio Municipal, construído em tijolos à vista na década de 40 para abrigar a prefeitura.

Faça uma parada neste aqui, porque nos fundos existe um elevador que leva os turistas para ver a cidade do alto dos seus 78 metros! A entrada é gratuita e o ticket pode ser adquirido no centro de informações turísticas, ao lado do edifício. A entrada fica na esquina com a Rua Ejido e o rorário de funcionamento é de segunda a sexta das 10h às 12h e das 13h às 15h30. Por fim – do passeio e da avenida, você chegará ao Obelisco dos Constituintes.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Fonte dos Cadeados

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Ele foi construído em 1930 para comemorar os 100 anos da primeira Constituição uruguaia, é feito em granito, tem 40 metros de altura e serviu como inspiração para o Obelisco de Buenos Aires, erguidos seis anos mais tarde e que você vai visitar ainda neste roteiro. Além de parada obrigatória para fotos, o monumento é também a porta de entrada para o Parque Batlle, outro refúgio verde da cidade. Siga pela Avenida Dr. Luis Morquio até a Fonte Iluminada.

Depois, siga contornando o parque pela direita até chegar à Avenida Ramón V. Benzano. Ao entrar nela, à esquerda, você cruzará toda a extensão do parque, poderá apreciar um pouco de sombra, sentar nos banquinhos, tirar fotos e, no final dela, terá chegado ao Estádio Centenário! Declarado monumento histórico do futebol pela FIFA, o Estádio Centenário de Montevidéu é uma atração tanto para quem ama quanto para os não tão apaixonados assim pelo mundo da bola.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Obelisco dos Constutintes

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Embora seu estado de conservação não esteja lá nenhuma Brastemp, não há como não imaginar a emoção dos uruguaios ao lotar as arquibancadas na Copa de 1930. Isso mesmo, o estádio foi construído há 89 anos para receber a primeira de todas as Copas do Mundo! Além de visitar as arquibancadas pintadas de azul celeste – a cor do Uruguai e da camisa da sua seleção -, você pode também subir na torre, de onde se tem uma vista panorâmica da cidade.

Dentro do estádio fica ainda o Museu do Futebol, cujo acervo mostra peças históricas uruguaias e latino americano em geral – inclusive do Brasil, é claro – como camisas, troféus, bolas e fotos. Ele abre de segunda a sexta, das 10h às 17h. Os ingressos custam US$ 5,35 para ver o museu e as arquibancadas do estádio, ou US$ 7 para ter acesso também ao mirante no alto da torre. Para maiores informações, visite o site oficial.

Depois de finalizada a visita, hora de voltar para o hotel para buscar as malas e se dirigir ao terminal portuário da Buquebus, empresa que opera o ferry que faz a travessia entre Buenos Aires e Montevidéu através do Rio da Prata. De segunda a sábado, a última embarcação do dia parte às 19h30 e aos domingos, às 20h15. Para compra de passagens, acesse o site da Buquebus. São 2h15 de viagem. Uma vez em Buenos Aires, é só ir para o hotel para uma boa noite de sono.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Estádio Centenario

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 4

O quarto dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu será o primeiro na capital argentina. Para começar bem, nada melhor do que visitar seu prédio mais icônico: a Casa Rosada. Se não puder ir andando do seu hotel até ela, você deve desembarcar nas estações de metrô Bolívar, Catedral ou Plaza de Mayo, já que todas ficam muito próximas da casa.  O edifício sede da presidência do país ganhou seu nome devido à óbvia coloração rosada do seu exterior.

⇒ Reserve já seu hotel em Buenos Aires e garanta os melhores preços! ⇐

Tirando a tinta e seu simbolismo, a Casa Rosada não tem grandes atrativos. O prédio atual é uma junção de dois edifícios públicos dos anos 1880 e que foi em parte demolido em 1938 para uma obra que nunca foi feita. Por isso, ele é maior de um lado do que do outro. Você pode admirar a fachada muito de perto, pois não há barreiras ou um grande esquema de policiamento ao redor.

Por dentro, podem ser visitados o gabinete presidencial, a sala das esculturas, o pátio das palmeiras, as belas escadarias de mármore e o Museu da Casa do Governo. A visita é gratuita, mas deve ser agendada com antecedência de até 15 dias pelo site oficial da Casa Rosada. Os tours ocorrem apenas nos finais de semana, das 10h às 18h. Dando continuidade ao passeio pelo centro da cidade, dê uma voltinha pela Plaza de Mayo, logo em frente.

Ao redor dela estão localizados alguns belos edifícios históricos, como a Catedral Metropolitana e o Museu Nacional del Cabildo y la Revolución de Mayo. Da Plaza de Mayo, pegue a Avenida de Mayo e caminhe sete minutos até o número 825, onde está localizado o icônico Café Tortoni. Inaugurado em 1858, o local era frequentado por grupos de pintores, escritores, jornalistas e músicos que formavam a ‘Agrupación de Gente de Artes y Letras’.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Casa Rosada

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

De lá para cá, saíram os intelectuais e entraram os turistas, que lotam todos os dias o lindíssimo salão decorado no melhor estilo da Belle Époque – destaque para o vitral do teto. Não se acanhe para entrar e dar uma espiada, mesmo que não vá comer nada. Mas se tiver um tempinho livre, recomendamos uma refrescante dose de sidra tirada da torneira. Saindo do Café Tortoni, você deve continuar andando até o fim da Avenida de Mayo e pegar à direita na Avenida 9 de Julio.

São cerca de 10 minutos de caminhada até chegar a outro símbolo máximo de Buenos Aires: o Obelisco! Este gigantesco monumento de pedra branca que se ergue a 67,5 metros de altura sobre o cruzamento das avenidas 9 de Julio e Corrientes. Inaugurado em 1936 para comemorar o aniversário de 400 anos de Buenos Aires, ele marca o local onde foi hasteada pela primeira vez a bandeira nacional na cidade. Embora possua um mirante no topo, o acesso atualmente está fechado.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Café Tortoni

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Depois de tirar todas as fotos que quiser do Obelisco, é só prosseguir mais uma quadra pela Cerrito que você vai chegar ao famoso Teatro Colón no número 628. Considerado um dos melhores teatros do mundo, reconhecido pela sua acústica e o valor artístico da sua construção, o Colón se tornou um dos pontos turísticos mais tradicionais de Buenos Aires, mesmo para quem não entende nada de música.

Seu majestoso prédio, inaugurado em 1908, recebeu cantores do porte de Enrico Caruso, Maria Callas, Plácido Domingo e Luciano Pavarotti. O grande destaque do teatro é a sala principal, com sua cúpula de 28 metros de altura e capacidade para receber até 500 pessoas em pé. Para conhecer seu interior, é preciso participar de uma visita guiada. Os tour ocorrem todos os dias das 9h às 17h com saída a cada 15 minutos. O custo é de US$ 17.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Obelisco

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Depois de visitar o teatro, saia para a esquerda na Cerrito e ande mais uma quadra e meia até a esquina com a Avenida Córdoba e entre nela à direita. São cerca de 10 minutos de caminhada até a esquina com a rua – ou ‘calle’, em espanhol – Florida. Popular centro de comércio local, esta é uma ruas mais movimentadas da capital argentina. Aqui você encontra todo tipo de lojas, lancherias, cafeterias, sorveterias, restaurantes etc etc etc.

Dobrando à direita vindo da Avenida Córdoba, você dará de cara com a Galerías Pacífico, um shopping center que funciona em um prédio antigo muito bonito e que vale uma visitinha. Quando começa a cair a tarde, dançarinos de tango se espalham pela Florida para fazer performances ao ar livre. Você pode apreciar todas que quiser, mas sempre deixe gorjetas. Depois, siga passeando e olhando vitrines até chegar à esquina com a Avenida Presidente Roque Sáenz Peña.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Calle Florida

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Esta gigantesca via adornada de belos prédios antigos lembra muito Paris e é uma das mais gostosas de se percorrer em Buenos Aires. Ao fim dela, você reverá o Obelisco, que pode já estar iluminado para a noite dependendo da estação do ano – no inverno, escurece cedo. E aqui acaba o quarto dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu. Do Obelisco você pode pegar o metrô nas estações 9 de Julho e Diagonal Norte e voltar para o hotel.

Ou, se for entusiasta do tango, caminhar de volta até o Café Tortoni, onde há shows todas as noites (consulte os espetáculos e horários no site oficial). Ou ainda descer na Estação Belgrano do metrô, caminhar três quadras pela Rua Piedras, dobrar à esquerda na Avenida Chile e seguir por mais três quadras até o Café de la Poesía, um tradicionalíssimo reduto boêmio da capital argentina localizado no bairro boêmio de San Telmo. Recomendamos o bife de chorizo e a cerveja artesanal da casa.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Café de La Poesía

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 5

No quinto dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu, é hora de sair do centro histórico da capital argentina e pegar um ônibus até o bairro de La Boca. Você pode pegar os coletivos de número 20, 29, 53 e 64 e pedir para descer na parada do Caminito, na Avenida Don Pedro de Mendoza. O Caminito é tradicionalmente definido como uma ‘rua museu’, mas já se tornou mais do que isso.

Ponto turístico por excelência de Buenos Aires, ele abriga não apenas as tradicionais casas multicoloridas que são seu cartão-postal como inúmeras lojas de souvenires, produtos típicos argentinos e, é claro, restaurantes. Não poderiam faltar os artistas de rua vendendo pinturas, artesanatos e dando pequenas aulas de tango para os turistas. Se você quer tirar aquela tradicional foto vestindo um traje de dança, este é o lugar!

Tudo isso não poderia caber em uma pequena rua de pedestres de 150 metros, por isso o Caminito se expandiu para as adjacentes ruas Magallanes e General Gregorio Aráoz de Lamadrid. Segundo a Wikipedia, o local se tornou referência cultural em Buenos Aires por ter inspirado um tango do mesmo nome. Resumindo, é difícil definir o que é o Caminito. Mas com certeza é um passeio que vale a pena em uma manhã gostosa e que vai render fotos sensacionais.

Além disso, o Caminito fica muito próximo de outra atração muito procurada na cidade: La Bombonera. Saindo do Caminito, basta pegar a direita na Rua General Gregório Aráoz de Lamadrid e, na esquina seguinte, a esquerda na Rua Dr. del Valle Iberlucea. São cinco minutos de caminhada até avistar o Estádio Alberto J. Armando, casa do tradicionalíssimo time do Boca Juniors. A estrutura em si é antiga e minúscula.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Caminito

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Construído em 1940, o estádio segue os padrões mínimos estabelecidos pela FIFA e tem capacidade para 49 mil pessoas. Mas ninguém vai à Bombonera pelo tamanho, beleza ou inovação, e sim pela sua história.  Suas arquibancadas já assistiram um sem número de partidas memoráveis, seja contra seu ‘arqui inimigo’ argentino – o River Plate -, seja contra outros clubes latino americanos pela Copa Libertadores e demais competições regionais.

Para visitar o estádio você precisa obrigatoriamente passar antes pelo ‘Museo de La Pasión Boquense’, uma moderna estrutura que abriga uma bela exposição sobre os mais 100 anos do time. Há três tipos de entradas disponíveis: apenas museu (US$ 10,35), tour pelo estádio + museu (US$ 13,75) e vista do estádio + museu (US$ 12,05). Depois da visita à Bombonera, nossa sugestão é uma boa caminhada pela Buenos Aires que não fica nos roteiros turísticos…

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - La Bombonera

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Sair de La Boca e chegar até o bairro boêmio de San Telmo! Pode parecer uma distância enorme olhando no mapa, mas são apenas 2,2 quilômetros e 30 minutinhos andando (é claro que você pode optar por fazer o trajeto de táxi/app). Saindo do museu e pegando a esquerda, você continua pela  Rua Dr. del Valle Iberlucea até chegar na esquina com a Rua Wenceslao Villafañe, onde deve dobrar à direita. Mais uma quadra e entre novamente à direita, na Rua Coronel Tomás Espora.

Siga por ela até encontrar a Avenida Almirante Brown, onde você deve dobrar à esquerda. Duas quadras adiante você avistará o Parque Lezama, um dos refúgios verdes da cidade e ótimo ponto para uma pausa de descanso no seu roteiro em Buenos Aires à sombra das árvores. Depois de atravessá-lo, você sairá na Avenida Brasil e deve entrar nela à esquerda, anda uma quadra e dobrar à direita na Rua Bolívar. Esta já é uma das vias que cortam o bairro de San Telmo.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Estátua da Mafalda

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Você pode caminhar por ela até encontrar a Rua Humberto 1º, onde dobrará à direita e passará pela Plaza Dorrego. Nesta praça, há um restaurante com gostosas mesas ao ar livre e shows de tango e você pode optar por fazer uma pausa para o almoço ou apenas beber uma cerveja enquanto aprecia os dançarinos. Depois, é só entrar à esquerda na Rua Defensa e você já estará no coração de San Telmo. Se for domingo, aproveite a vibrante feira que toma conta dessa parte do bairro.

Se não, perca-se pelas ruazinhas gostosas do bairro, recheadas de antiquários e cafés tradicionais. Na esquina da Rua Defensa com a Avenida Chile, você vai encontrar a popular estátua dos personagens das histórias em quadrinhos ‘Mafalda’, que está sempre cercado por brasileiros. A via é também lar de dezenas de bares e restaurantes, que ficam lotados principalmente à noite. Afinal, este é o bairro boêmio de Buenos Aires!

Aproveite para fazer como os locais e beber uma cerveja nas mesas espalhadas pelas calçadas. Recomendamos a cervejaria artesanal La Taberna de Gilgamesh, que fica no número 308. E aqui termina o segundo dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu. Para voltar ao seu hotel, siga pela Avenida Chile até a esquina com a Rua Piedras e dobre à direita. Em poucos minutos você estará na Estação Belgrano do metrô.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Bares em San Telmo

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu – Dia 6

No último dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu, desembarque na Estação Las Heras do metrô, localizada no popular bairro da Recoleta. Siga pela direita na Avenida General Las Heras até a esquina com a Rua Austria e pegue a direita. Quando chegar na Avenida Presidente Figueroa Alcorta, dobre novamente à direita e você dará de cara com a Floralis Genérica. Trata-se da escultura de uma flor toda em aço inoxidável e alumínio com 20 metros de altura e 18 toneladas.

Obra do arquiteto Eduardo Catalano, ela é dotada de um sistema hidráulico que fecha suas pétalas ao pôr do sol e as abre às 8h. No entanto, ele não funciona há alguns anos e não se sabe se algum dia voltará. Depois de admirar e fotografar a Floralis, siga à esquerda na Avenida Presidente Figueroa Alcorta até encontrar a Avenida Pueyrredón e entrar à direita. Você atravessará a Plaza Francia – onde existe uma feira livre de artesanato, comes e bebes – e vai pegar a Rua Junín.

É só caminhar alguns minutos por ela e você estará no portão de entrada do famoso Cemitério da Recoleta. Isso porque nada menos de 90 das suas belíssimas sepulturas são tombadas como Monumento Histórico Nacional. A mais popular e procurada é a da ex-primeira-dama argentina Evita Perón, mas há muitas outras que se destacam pela beleza arquitetônica ou importância na história da Argentina.

O cemitério data de 1822, época em que o país era uma potência econômica e seus habitantes mais ilustres construíam túmulos suntuosos, planejados por arquitetos famosos e decorados com mármore e muitas esculturas elaboradas. Quem quiser conhecer o local sem se perder pelas incontáveis ruelas de lápides pode comprar um mapa na entrada. Ou se programar para fazer parte de uma visita guiada gratuita em espanhol, que acontece de terça a domingo às 11h.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Floralis Genérica

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Depois da visita, saia pelo portão à direita e continue pela Rua Junín até a esquina com a Rua Vicente López. Entrando à direita, você anda por uma quadra até encontrar o Restaurante Romario, uma boa opção para um almoço simples e gostoso. A casa é especializada em empanadas. Do Romario, é hora de fazer uma boa caminhada para ajudar na digestão. São 30 minutos – 2,2 quilômetros – até a Torre Monumental, já no bairro do Retiro.

Para chegar nela, siga pela direita na Rua Vicente López até a esquina com a Rua Juncal, na qual você deve entrar à esquerda. A partir daqui o caminho é uma linha reta até a Avenida del Libertador, onde você verá a torre logo na sua direita (é claro que você pode optar por fazer o trajeto de táxi). A Torre Monumental (antiga Torre dos Ingleses) foi construída pela colônia britânica em Buenos Aires para comemorar o centenário da Revolução de Maio, em 1916.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Cemitério da Recoleta

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Mas, após a Guerra das Malvinas em 1982, a Torre dos Ingleses foi rebatizada como Torre Monumental e, logo na frente dela, foi erguido um outro monumento, em homenagem aos mortos na disputa entre os dois países. Saindo da Torre Monumental e continuando com o roteiro, você deve seguir pela esquerda na Avenida del Libertador até encontrar a esquina com a Avenida Córdoba e entrar à esquerda. São apenas duas quadras até a entrada de Puerto Madero.

Este costumava ser apenas o bairro que cercava o porto de Buenos Aires, mas hoje é também um dos projetos de renovação urbana mais bem sucedidos do mundo. A partir da década de 1990, os navios e guindastes deram lugar a torres de escritórios, restaurantes e hotéis de luxo nas duas margens do estreito construído às margens do Rio da Prata. O local se tornou o destino preferido dos turistas para fazer uma refeição tipicamente argentina.

Quem não quiser arcar com os altos custos de comer por lá, pode se divertir apenas com uma caminhada e matar a fome na filial da tradicional sorveteria Freddo. Além disso, abriga a icônica Puente de la Mujer, do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, e a Fragata Presidente Sarmiento, o primeiro navio da Argentina a ser utilizado como museu. Aqui termina o último dia de roteiro em Buenos Aires e Montevidéu! Hora de voltar ao hotel para arrumar as malas e descansar.

Roteiro em Buenos Aires e Montevidéu - Puerto Madero

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

*** O Escolha Viajar esteve em Buenos Aires e Montevidéu em dezembro de 2016 ***

Posts relacionados

Deixe um comentário

4 comentários

Renata 22 de janeiro de 2020 - 09:49

O roteiro de vocês está sendo a base para o meu. Mas tenho uma dúvida: onde (bairro) vocês se hospedaram em Buenos Aires e em Montevideo?

Responder
Escolha Viajar 25 de janeiro de 2020 - 13:07

Olá, Renata!
A resposta para sua pergunta já está no texto: “Outro fator que ajuda bastante é se hospedar em bairros estratégicos das cidades. No caso de Montevidéu, o local com melhor acesso a todas atrações é o centro histórico, ou Ciudad Vieja. Confira nossa sugestão de hospedagem econômica aqui: https://www.booking.com/hotel/uy/caballo-loco-hostel.pt-br.html?aid=396141. Em Buenos Aires, nossa recomendação é o boêmio bairro de San Telmo, que fica muito perto do centro e é bem servido de estações de metrô. Confira nossa sugestão de hospedagem econômica aqui: https://www.booking.com/hotel/ar/art-factory.pt-br.html?aid=396141.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
THIAGO 30 de março de 2019 - 17:24

Estou querendo fazer uma viagem com minha família para Argentina e Uruguai. Penso em fazer uma viagem de 08 dias. Gostaria de saber se posso locar um carro em Buenos Aires e atravessar a fronteira até Montvideu? Depois retorno e devolvo o carro lá em Buenos Aires.

Responder
Escolha Viajar 7 de abril de 2019 - 20:33

Olá, Thiago!
Nunca fizemos esse trajeto de carro, mas pelo que pesquisei não são todas as locadoras que permitem a saída do veículo do país, mesmo que seja para entregar de volta no mesmo lugar. No RentCars, que é um site que reúne as principais locadoras do mundo, não apareceu nenhuma opção disponível. Além disso, não vejo necessidade de você ter um veículo para uma viagem de oito dias. Você provavelmente vai ficar a maior parte do tempo em Buenos Aires e Montevidéu, que são cidades grandes e onde não é tão fácil de circular com um veículo. Você terá que encarar o trânsito, pagar estacionamento etc. Acredito que seria mais proveitoso usar transporte público ou táxi/app nas duas capitais. Além disso, cruzar de uma para outra de buquebus é fácil, rápido e prático. Fica nossa dica 😉
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para melhorar sua experiência. E, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Saiba Mais