Página inicial AméricaPeru Roteiro em Lima: o que fazer em 1 ou 2 dias e onde ficar [com mapas]

Roteiro em Lima: o que fazer em 1 ou 2 dias e onde ficar [com mapas]

por Escolha Viajar
Fonte de ferro da Plaza Mayor com a Catedral de Lima ao fundo

Vai viajar e não sabe como organizar seu roteiro em Lima? Não se preocupe! Neste texto, vamos te dizer o que ver e fazer por lá, com sugestões de roteiro passo a passo para quem tem 1 ou 2 dias de viagem na capital do Peru. Acompanhado de mapas, preços e links para garantir seu ingresso ou passeio. Lima é a maior e mais importante cidade do país andino e acaba sendo a porta de entrada da grande maioria dos turistas que visitam o país.

⇒ Reserve já seu hotel em Lima e garanta os melhores preços! ⇐

Muita gente nem sente o cheiro dela, fazendo apenas escala no aeroporto para um voo regional com destino à famosa e popular Cusco. O que, na nossa modesta opinião, é um erro. Está certo que uma megalópole com mais de 12 milhões de habitantes empobrecida e um tanto caótica afugenta um pouco os turistas. Mas é uma cidade bem interessante, com atrações diferenciadas que rendem programação para pelo menos dois dias de turismo.

Lima foi fundada pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro em 1535 e, mesmo muito danificada por terremotos, se tornou a capital e mais importante cidade dos domínios espanhóis na América do Sul. Os edifícios coloniais da cidade são as últimas testemunhas dos tempos de glória da capital peruana, tanto que o centro histórico foi classificado como Patrimônio  da Unesco em 1988. Há ainda ruínas pré-colombianas, penhascos à beira-mar e MUITAS fontes.

Fonte do Circuito Mágico del Agua, em Lima

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Listamos as atrações do roteiro em Lima seguindo os critérios de importância e distância. Então, no ‘Dia 1’ estão os pontos turísticos mais legais e que ficam próximos uns dos outros, no ‘Dia 2’ os um pouco menos legais ou que ficam mais longe. Mas fique à vontade para pular dias e misturar atrações, pois o importante é fazer o que você gosta! A nossa ideia é apenas facilitar a sua vida, mostrando a forma mais prática e eficiente de organizar seu tempo na cidade.

A primeira dica para curtir uma metrópole tão grande e com transporte público pouco eficiente é se hospedar no lugar certo. Em Lima não há outro que não o belo bairro de Miraflores, com suas praças floridas, penhascos sobre o mar, shopping, restaurantes e acesso fácil ao Metropolitano – um ônibus expresso que opera como metrô de superfície e corta a capital de norte a sul. Como Miraflores é o local mais procurado pelos turistas, há muitas opções a bons preços.

SEGURO VIAGEM com 5% de desconto
O Seguro Viagem é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e protege sua saúde no exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

⇒ QUANTO CUSTA VIAJAR PARA O PERU? Prepare seu bolso ⇐

Entre elas está o Dragonfly Hostels Miraflores, localizado em pleno coração do bairro e a poucas quadras do mar. O hostel oferece internet WiFi gratuita, café da manhã, bar, terraço, aluguel de bicicletas, cozinha compartilhada e sala de TV. As acomodações são espaçosas, com camas confortáveis e banheiros privativos. As diárias partem de US$ 10 a cama em dormitório compartilhado e de US$ 22 o quarto para dois. Para informações e reservas, clique aqui.

O que fazer em Lima em 1 dia → Huaca Pucllana, Parque Kennedy, Shopping Larcomar, Malecon de la Reserva, Parque del Amor e La Rosa Nautica;
O que fazer em Lima em 2 dias Tudo do ‘Dia 1’ + Ponte dos Suspiros, Iglesia La Ermita, Plaza Mayor, Catedral de Lima, Basílica e Convento de San Francisco e Circuito Mágico del Agua;
O que fazer em Lima em 3 dias (bônus!!!) Tudo do ‘Dia 1’ + tudo do ‘Dia 2’ + sítio arqueológico de Pachacámac OU tour para Ilhas Ballestas, Linhas de Nazca e Oásis de Huacachina OU tour para o sítio arqueológico de Caral;

Casal se abraça no Parque del Amor, no bairro de Miraflores

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar


Roteiro em Lima – Dia 1

O primeiro dia de roteiro em Lima vai se concentrar nas atrações do bairro de Miraflores, aquele onde você deve ter se hospedado se seguiu nossa dica. Vamos começar o passeio pela Huaca Pucllana. Saindo do Parque Keneddy, basta pegar a Avenida Arequipa, que tem um canteiro para pedestres no centro, e seguir caminhando por ela por 20 minutos na direção oposta a do mar. Quando chegar à esquina da Calle Ayacucho, vire à esquerda.

⇒ ROTEIRO EM CUSCO E MACHU PICCHU de 2 a 7 dias de viagem ⇐

Em três quadras você estará no sítio arqueológico. Quem não quiser ir caminhando, pode optar por usar o Metropolitano. A estação mais próxima é a Angamos, na avenida do mesmo nome e servida pelas linhas B e C – está marcada no mapa. ‘Huaca’ é a denominação que se dá a um templo ou local sagrado dos tempos pré-colombianos. A Huaca Pucllana foi um complexo administrativo e cerimonial construído todo em tijolos de adobe, tendo sido abandonado no ano 700.

Cacto em frente à pirâmide de adobe da Huaca Pucllana, em Lima

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Ele ocupa uma área de 6 hectares bem no coração da cidade. É um passeio curto e bastante interessante para se conhecer a história peruana, que começou muito antes dos incas. As entradas custam soles 10 soles (US$ 3) e as visitas são feitas só em grupos guiados. Depois do tour, retorne ao Parque Kennedy, seja andando pelo menos caminho da ida, seja de transporte público. Neste caso, você pega o Metropolitano C e desce na estação seguinte, a Ricardo Palma.

Esta pequena e simpática área verde é o coração do bairro e se tornou um ponto turístico pelos vários bares e restaurantes ao redor, pelos feirantes vendendo comida e artesanato e pelos cerca de 50 gatos que moram lá. Os felinos vivem soltos e são alimentados pelos moradores. Uma festa para quem ama gatos, e – para quem não é tão fã assim -, um espaço verde gostoso, sombreado, onde você pode degustar comidinhas e comprar souvenires.

Mulher posa para fotos com os gatos do Parque Kennedy, em Miraflores

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Ao redor do parque, pare alguns minutos para admirar a Igreja de la Virgen Milagrosa e o Palácio Municipal, dos anos 1930. Bem em frente a eles fica o Paseo de los Pintores, que recebe artistas locais nos finais de semana. Quando encerrar a passagem pelo Parque Kennedy e arredores, pegue a Avenida Jose Larco e siga em direção ao mar. Em 20 minutos de uma gostosa caminhada pelo bairro, você chegará ao Shopping Larcomar, outra atração local.

Parcialmente a céu aberto, ele foi construído no alto dos rochedos que formam a costa de Lima e dos seus mirantes pode-se ter uma ampla visão do Oceano Pacífico e das praias da cidade lá embaixo. Se você já estiver com fome, almoçar aqui é uma ótima pedida, pois há vários restaurantes com sacadas envidraçadas se debruçando sobre o mar. Não há vista mais bonita na cidade! Depois da refeição, fique à vontade para namorar as vitrines das lojas de luxo.

Vista dos penhascos sobre o mar desde o Malecón de la Reserva, em Miraflores

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Quando der a visita ao Larcomar por encerrada, saia pela avenida beira-mar para o lado direito para prosseguir com o roteiro em Lima. É o Malecon de la Reserva e por ele vamos margear um trecho dos rochedos sobre o mar. Um quilômetros depois do shopping, você vai avistar uma ponte, a Puente Villena Rey. Antes de entrar nela, você vai ver à sua direita uma escadinha que desce para a avenida abaixo, a Malecón 28 de Julio. Siga por ela e você chegará à praia.

Na sua esquerda, você verá um longo píer e, lá na ponta, no meio do mar, uma bela casa que parece uma antiga mansão todas em madeira. Trata-se do La Rosa Nautica, um dos mais tradicionais e famosos restaurantes de Lima. É um lugar com preços bem elevados para se fazer uma refeição completa, mas quem quiser conhecê-lo por dentro – é muito bonito! -, pode pedir apenas um pisco sour e sentar nas aconchegantes poltronas com vista para o mar.

Canteiros floridos no Parque del Amor, com a estátua El Beso ao centro

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Depois dessa dose providencial da bebida peruana, volte pelo mesmo caminho que veio lá de cima e atravesse a Puente Villena Rey para seguir com o passeio pelo malecón. Logo adiante, você chegará ao florido e charmoso Parque del Amor. Principal atração turística de Miraflores, ele foi inaugurado no Dia de São Valentim – 14 de fevereiro,  data em que se comemora o Dia dos Namorados no mundo todo, menos no Brasil – de 1993.

O motivo é o grande números de casais que se reúne ali todos os dias para admirar o pôr do sol nas águas do Pacífico. No centro do parque há uma gigantesca escultura intitulada El Beso, cujo autor é o artista peruano Víctor Delfín. Ela tem 12 metros de largura por 3 de altura e representa um casal de jovens apaixonados beijando-se. Nos coloridos muros do parque – inspirados no Parque Güell de Barcelona -, estão grafadas frases românticas de grandes escritores latinos.

Casal assiste ao pôr do sol no Malecón de la Reserva, em Miraflores

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

É tanto amor que já se tornou tradição entre os recém-casados de Lima ir até lá para tirar fotos depois do ‘sim’ na igreja. Seguindo pelo malecón por mais 10 minutos, você chegará ao Farol la Marina, dentro do Parque Antonio Raimondi, ponto final do passeio de hoje. Ache um banco livre e espere pelo pôr do sol, pois vê-lo descendo nas águas do Pacífico é parte indispensável do roteiro em Lima. Depois, retorne ao Parque Kennedy para a happy hour e jantar.

Para quem tem mais foco na comida, recomendamos o Café de la Paz (Cl. Lima, 351) ou o Rústica, que fica na popular Calle de las Pizzas, número 104. Esta ruazinha de pedestres reúne vários bares, restaurantes é pizzarias, é claro! Então há várias opções nas proximidades. Já quem prefere provar uma boa cerveja artesanal limenha deve ir ao Nuevo Mundo Bar (C. Manuel Bonilla, 103). Os três lugares ficam ao redor do parque e estão marcados no mapa 😉


Roteiro em Lima – Dia 2

No segundo dia de roteiro em Lima, vamos circular por três regiões bem distintas da cidade. A primeira é o bairro boêmio e artístico de Barranco. O ponto de partida é a Plaza Barranco. Quem gosta de caminhar pode encarar os 3,5 quilômetros de distância desde o Parque Kennedy. Quem prefere poupar as pernas para os passeio pode pegar o Metropolitano na Estação Ricardo Palma. A Linha C na direção Matellini vai te deixar na Estação Estadio Unión, pertinho da praça.

⇒ O QUE FAZER NO PERU: 12 atrações que são imperdíveis ⇐

Embora seja mais agitado à noite, Barranco também tem charme para mostrar durante o dia. Na própria plaza, chama a atenção o edifício histórico da biblioteca, de 1922. Ao seu redor, desenrolam-se casarões e igrejas coloridos e muros cobertos de grafites. Numa das laterais da praça, passa a Avenida Pedro de Osma. Atravesse e procure pela Passaje Chabuca Granda, uma ruela de pedestres. Após atravessar outra rua, a Ayacucho, chegará à Puente de los Suspiros.

Feita de madeira em 1876 e cercada por belos lampiões, esta icônica ponte é símbolo do bairro de Barranco.  Do outro lado, fica La Ermita, uma igreja em adobe amarelo construída no século XVIII. Está fechada e se tornou atração turística desde 1974, quando um terremoto abalou suas estruturas. Abaixo da Puente de los Suspiros passa a Baja de Baños, uma via de pedestres que vai até o mar. Aproveite o embalo e desça até o mirante da praia.

Passagem de pedestres leva até a Ponto dos Suspiros, em Barranco

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Depois do passeio, volte à Plaza Barranco e pegue a direita na Avenida Almte. Miguel Grau. Em poucas quadras, você estará na Estação Estadio Unión do Metropolitano. Pegue a Linha C em direção a Naranjal e prepare-se para uma pequena viagem até a Estação Jirón de la Unión. Você vai descer em pleno centro histórico de Lima. Pegue a centenária Rua Jirón de la Unión e comece seu passeio admirando algumas das suas construções históricas.

Destacamos a Casa O’Higgins (número 554) e a Casa Courret (459), em estilo Art Nouveau. Em uma quadra e meia você estará na impressionante Plaza Mayor – onde a cidade nasceu – adornada por belos canteiros floridos e uma fonte de ferro fundido que data de 1650. Ao redor dela estão os principais edifícios históricos da cidade. Comece admirando o Palácio do Governo – sede da Presidência do Peru -, o o Palácio Arquiepiscopal e o Palácio Municipal.

Pessoas caminham pelas ruas do centro histórico de lima ao entardecer

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

Não deixe de admirar os balcões de madeira ricamente entalhados, típicos da época republicana. Outra construção de destaque ao redor da praça é a Catedral de Lima. Embora não seja tão bela quanto outras igrejas do Peru, trata-se da maior igreja do país e sua primeira constrição data de 1535. Reformas posteriores lhe renderam as belas torres laterais em estilo neoclássico. Vale uma visita interna para quem estiver interessado em conhecer o túmulo de Pizarro.

Depois da catedral, pausa para o almoço. Recomendamos o Tanta, restaurante do grupo do estrelado chef Gastón Acurio e que fica na Pasaje Nicolás de Rivera 142 – logo atrás do Palácio Municipal. Enchida a pança, cruze a praça novamente e pegue a Rua Jirón Carabaya para a esquerda. Você passa pela Casa del Oidor e, virando na primeira à direita, chega até a Basílica e Convento de San Francisco de Lima, um belo complexo colonial em amarelo e branco.

Fonte e igreja do Convento de Santo Domingo, em Lima

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

A visita interna vale para quem gosta de catacumbas sombrias e cheias de ossos. Saia do convento e entre à esquerda na Jirón Lampa. Siga até encontrar a Jirón Ucayali e dobre à direita. No número 363 fica o Palácio Torre Tagle, de 1735. Depois de admirar mais esta bela obra de arquitetura, vá para o lado contrário do Ucayali e continue por ele até o Jirón Camaná. Entre à esquerda para dar uma espiada em outra bela construção: a Casona Riva-Agüero, de 1760.

Voltando Jirón Ucayali – que mudou de nome para Ica agora -, continue por ele até o número 426, onde fica a Casa de la Riva. Volte até a esquina com o Jirón Rufino Torrico e entre à esquerda, seguindo até o Jirón Conde de Superunda, à direita. No número 298 fica a fachada azul e os balcões de madeira da Casa de Osambela. Para encerra o circuito arquitetônico, siga pelo Conde de Superunda até ele encontrar o Jirón de la Unión e vá para a esquerda.

Visitantes caminham sob fonte do Circuito Mágico del Agua, em Lima

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

No número 224 encontra-se a Casa de Aliaga, outro local que vale a visita por fora e por dentro. Trata-se da mais antiga e bem-preservada casa do continente e nela viveram Pizarro e seus descendentes. O passeio nesta parte da cidade termina aqui, hora de voltar ao Metropolitano. Desta vez, pegue o carro com direção Matellini e desça na Estação Estádio Nacional. Logo ao lado do complexo esportivo, está o Parque de la Reserva, que abriga nossa última atração.

Trata-se do Circuito Mágico del Agua, a maior sequencia de fontes do mundo – com direito a menção no Livro dos Recordes. A entrada é pelo Portão 3, que fica no Jirón Madre de Diós. São 13 fontes espalhadas pela área do parque, onde a água jorra acompanhada de música e show de luzes. Algumas são interativas, compondo um passeio simpático e divertido para encerrar o roteiro em Lima. O circuito abre a partir das 15h e os ingressos custam 4 soles (US$ 1,25).


Roteiro em Lima – Dia 3 (bônus!)

Tem mais um dia de roteiro em Lima? Então temos uma dica bônus para aproveitar atrações que ficam nos arredores da cidade! A primeira delas é visitar o sítio arqueológico de Pachacámac, a 35 quilômetros do centro. A cidadela – ocupada do século III ao século XV – era considerada sagrada por abrigar um oráculo. As previsões sobre o futuro levavam multidões de peregrinos a Pachacámac. Destaque para o museu local e as vistas do mar desde o Templo do Sol.

⇒ COMO VISITAR A LAGUNA 69: Tudo o que você precisa saber ⇐

O tour de quatro horas para visitar o sítio custa US$ 59 e você pode reservar o seu aqui. Há ainda outras opções de passeios bate-volta que são um pouco mais longínquas. Vale mais a pena colocar esses lugares em um roteiro pelo Peru – confira o nosso aqui – do que ir e voltar desde Lima. Mas vamos deixar duas sugestões para quem não tem tempo de ir até esses locais ou mesmo para quem prefere viajar assim, trocando de cidade o mínimo possível. Uma delas é Caral.

Homem admira terraço circular no sítio arqueológico de Caral

Foto: Daniel Barker/Domínio Público

O sítio arqueológico de Caral encontra-se no Vale do Supe, 200 quilômetros ao norte de Lima. A civilização que habitou o local foi a mais antiga do continente americano e um dos berços da civilização mundial. Acredita-se que as pirâmides foram construídas por volta do ano 5000 a.C. Caral é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO e reúne terraços circulares, áreas residenciais, pirâmides, anfiteatro e praças. O tour de um dia inteiro custa US$ 225 (reserve aqui).

Outra possibilidade é um tour para conhecer as Ilhas Ballestas, as Linhas de Nazca e o Oásis de Huacachina, a mais ou menos 300 quilômetros de Lima. As Ilhas Ballestas, na Reserva Nacional de Paracas, são habitat de pássaros, leões-marinhos, golfinhos e pinguins. O Oásis de Huacachina é o único da América Latina. O passeio inclui ainda um voo sobre as Linhas de Nazca – enigmáticos desenhos gigantes feitos no deserto. O custo é de US$ 500 (reserve aqui).

Figura do 'colibri' pode ser vista durante sobrevoo às Linhas de Nazca

Foto: Ticiana Giehl/Escolha Viajar

*** O Escolha Viajar esteve em Lima em maio/2013 e dezembro/2015 ***

Posts relacionados

Deixe um comentário

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para melhorar sua experiência. E, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Saiba Mais