Página inicial AméricaPeru Roteiro no Peru: 18 dias de viagem de Trujillo ao Lago Titicaca

Roteiro no Peru: 18 dias de viagem de Trujillo ao Lago Titicaca

por Escolha Viajar
Mapa do roteiro no Peru, de Trujillo ao Lago Titicaca

À primeira vista, pode parecer muito fácil montar um roteiro no Peru: uns três dias em Cusco, um em Machu Picchu e talvez uma passadinha por Lima entre o embarque e o desembarque. Em cinco dias, você ‘mata’ o país e já sai emendando com Bolívia e Chile ou Equador para otimizar a viagem. Por favor, não faça isso. Você estará perdendo a oportunidade de conhecer o país mais interessante da América do Sul (pelo menos na nossa modestíssima opinião, hehe). Reserve pelo menos 18 dias de viagem para visitar o Peru como ele merece, ao invés de sair correndo numa maratona maluca de três países em duas semanas ou coisa que o valha. Há tanto para ver em um roteiro no Peru que garantimos que você não vai se arrepender dessa escolha!

⇒ ONDE SE HOSPEDAR NO PERU e gastar pouco? Confira aqui
⇒ GUIA DE VIAGEM PERU: Tudo que você precisa saber!

Para facilitar a sua vida viajante, elaboramos uma sugestão de trajeto, começando pelo norte do país – em Trujillo -, passando por Huaraz, Lima, Cusco, Machu Picchu e finalizando na fronteira leste – em Puno -, onde a imensidão do Lago Titicaca se divide com a Bolívia. Não é um roteiro no Peru completão, pois ficam faltando vários lugares super legais como as Linhas de Nazca, o Oásis de Huacachina, as destilarias de Pisco, os desfiladeiros do Cânion del Colca, a cidade branca de Arequipa, a Amazônia peruana etc.

Mas é um roteiro possível, visto que 18 dias de viagem, mais um para ir do Brasil ao Peru e outro para fazer o caminho de volta, é um período de tempo que se encaixa nas férias da maioria das pessoas. Também é um roteiro no Peru feito sob medida para os bolsos mais econômicos, pois privilegia o transporte público dentro das cidades e de ônibus entre elas. Embarque conosco nesta viagem de Trujillo até o Lago Titicaca.

Roteiro no Peru – Dia 1: Trujillo

Seu primeiro dia de roteiro no Peru será na charmosa cidade colonial de Trujillo, localizada na região norte do país. Mas não vamos ficar no centro histórico, mas sim nos dirigirmos cinco quilômetros para oeste, na direção do Oceano Pacífico, para visitar as ruínas de Chan Chan. Pergunte no seu hotel qual a rua mais próxima onde você pode pegar uma das vans caindo as pedaços e apertadas até não poder mais que fazem o curto trajeto e embarque para o sítio arqueológico. A passagem custa baratinho e você vai ter a experiência de se deslocar como os peruanos –  e os turistas mão de vaca 🙂 – fazem. Lembre-se de dizer ao condutor que você vai descer em Chan Chan, pois os veículos seguem adiante, até a Praia de Huanchaco. Para entrar em Chan Chan, é preciso comprar um boleto que custa 10 soles (US$ 3).

SEGURO SAÚDE com 5% de desconto
O Seguro Saúde é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e recomendado em viagens para o exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

⇒ Reserve já seu hotel em Trujillo e garanta os melhores preços! ⇐

Chan Chan é a maior cidade de barro – ou adobe – do mundo e foi construída entre 1100 e 1300 para ser a capital do Império Chimú, um dos mais poderosos da América do Sul. Antes de ser conquistada pelos incas, em 1470, esta metrópole pré-colombiana chegou a abrigar 100.000 habitantes! Você vai ver vestígios de praças, câmaras, corredores, claustros, áreas residenciais e quartéis militares. O sítio arqueológico, tombado como Patrimônio Mundial pela Unesco, passa por um constante processo de restauro devido aos estragos causados por inundações que se repetem desde 1925. Seguindo com o passeio por Trujillo, volte para a estrada onde a van deixou você e acene para o próximo coletivo que passar com a sinalização ‘Huanchaco’. São mais sete quilômetros de viagem até esta praia famosa no mundo todo como point de surfe. Mas não é só isso.

Huanchaco é um dos poucos lugares do Peru onde ainda é possível ver em ação os tradicionais ‘caballitos’ de totora, embarcações de junco feitas pelos nativos da região há mais de 2.500 anos e que servem tanto para a pesca quanto, nos dias de hoje, para a diversão. Procure um dos restaurantes à beira-mar, compre um almoço, uma cerveja gelada e faça um piquenique nas areias. Aproveite o clima relaxado do balneário, dê uma caminhada pelo calçadão e observe os surfistas e os ‘caballitos’ dividindo espaço no mar ou terra firme. No fim da tarde, dirija-se ao píer de Huanchaco. Como é uma praia voltada para o Pacífico, ela proporciona aos visitantes um pôr do sol nas águas do oceano que é lindo de chorar no cantinho. Depois que o disco dourado descer no mar, você pode pegar uma van no mesmo lugar onde desceu para voltar ao centro de Trujillo, ou, se já tiver tido aventuras no transporte peruano suficientes para um dia, procurar um táxi.

Viaje para o exterior com internet no celular
Chegue ao seu destino com o celular funcionando! A EasySim4u oferece plano de dados em países do mundo todo para que você fique conectado à internet o tempo todo. Faça simulação de preços e compre aqui!
Roteiro no Peru - Praia de Huanchaco

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 2: Trujillo/Huaraz

Segundo dia de roteiro no Peru e segundo dia em Trujillo. Agora sim é hora de passear pelo centro histórico colonial da cidade, bem charmoso, colorido e preservado. Fundada em 1534, a ‘joia do norte do Peru’ foi um importante centro de produção de cana-de-açúcar e local onde os ricos fazendeiros construíram suas mansões e palacetes. Comece o passeio pela Plaza de Armas, ou Plaza Mayor, muito ampla e adornada com um monumento de 25 metros de altura em mármore e bronze em honra aos heróis da Guerra da Independência peruana. Ao redor dela estão a Catedral da cidade, prédio em estilo barroco do século XVIII; a Igreja la Merced, de 1636; e a Casa Urquiaga, uma mansão toda em azul que pertenceu ao fundados do primeiro banco da cidade.

Ainda valem uma visita a Casa de Orbegoso, outra mansão do século XVIII  que fica logo atrás da Merced (esquina da Bolívar com a Jirón Orbegoso); a Casa de la Emancipación, a apenas uma quadra da praça (na Jirón Pizarro 610); e o Palácio Iturregui, mansão neoclássica que fica logo na esquina seguinte (Jirón Pizarro 688). Todos os prédios podem ser visitados por dentro, sendo que alguns abrigam museus e cobram entrada, outros não. Fica a seu critério fazer uma visitação mais aprofundada ou admirar apenas as fachadas coloridas e demais detalhes arquitetônicos. Faça uma pausa para o almoço e, depois, siga até a Avenida los Incas, onde você deve pegar uma das vans que tenham a sinalização ‘huacas’ na frente. Elas levarão você pelo trajeto de 8 quilômetros que separa o centro de Trujillo das ruínas dos templos do Sol e da Lua.

Chamados de ‘huacas’,  as estruturas em forma de pirâmide e construídas em barro – ou adobe – foram erguidas nos local que foi a capital da cultura moche. Esta desenvolveu-se ao longo do litoral norte do Peru entre 200 AC e 700 DC, sendo considerada muito sofisticada. A ‘Huaca del Sol’, que não é aberta à visitação, chega a uma altura de 40 metros, enquanto a ‘Huaca de la Luna’ vai a 21 metros. A visita às ruínas do templo da Lua é feita apenas em grupos e sempre acompanhada de um guia. Você vai ficar impressionado com o colorido e riqueza de detalhes dos desenhos e entalhes que foram recuperados nas paredes que formas as várias plataformas sobrepostas das pirâmides. Há ainda no local um belo e amplo museu dedicado ao sítio arqueológico. A entrada custa US$ 6.

Finda a visita, pegue a mesma van para retornar ao centro de Trujillo. Procure um local para jantar e, depois, busque suas coisas no hotel, pois é hora de seguir viagem. Pegue um táxi até a rodoviária e embarque em um dos ônibus que partem à noite em direção ao próximo destino deste roteiro no Peru: a cidade de Huaraz. Pela empresa Linea, as passagens custam entre 55 e 65 soles (US$ 17,10 e US$ 18,65) e a partida ocorre às 21h30. Pela empresa Movil Tours, as passagens custam entre 45 e 60 soles (US$ 14 e US$ 18,65) e as partidas ocorrem às 21h40 ou 22h20 (testada e aprovada pelo Escolha Viajar).

Roteiro no Peru - Trujillo

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 3: Huaraz

A viagem de ônibus entre Trujillo e Huaraz dura cerca de oito, então você só chegará à cidade por volta das 6h, já no seu terceiro dia de roteiro no Peru. Pegue um táxi do lado de fora da rodoviária e vá para o seu hotel se recuperar da longa jornada. Huaraz é uma cidade localizada em plena Cordillera Blanca, região do centro-norte do Peru que se estende até Lima, que está 400 quilômetros ao sul. Por todos os lados, você verá magníficos picos nevados e são eles o motivo da visita à cidade. O que há la para ver? Nada! Mas Huaraz é a cidade com melhor infraestrutura – e mesmo assim não é muita – para o turista que quer visitar as atrações do sensacional Parque Nacional Huascarán.

⇒ Reserve já seu hotel em Huaraz e garanta os melhores preços! ⇐

Depois que acordar, você pode dar uma voltinha pelo centro da cidade, que tem restaurantes a preços bem convidativos e muitos indígenas vendendo peças de lã por preços ridículos. Se você não levou peças para o frio na mala, a hora de compra é essa, pois faz muito frio durante os passeios nas montanhas, mesmo nos meses de verão. Aproveite o dia livre no roteiro no Peru exatamente para reservar os seus tours, seja no seu hotel, seja em uma das várias agências de viagens que se espalham pelo centro. Mas recomendamos que você pesquise uma com antecedência, pois há muitos serviços de turismo ruins em países pobres e sem fiscalização, como o próprio Peru e a vizinha Bolívia (o Escolha Viajar prefere não recomendar aquela que usou exatamente porque não tivemos a melhor das experiências.

Recomendamos que você faça pelo menos três passeios: Geleira Pastoruri, Llaganuco e Laguna 69. Falaremos mais deles a seguir. E se você acha que reservar um dia todo só para isso é bobagem e planeja pegar um tour logo depois que desembarcar na rodoviária, saiba que não é uma boa ideia. É aconselhável passar pelo menos 24 horas se adaptando a altitude, já que Huaraz está mais de 3.000 metros acima do nível do mar. Você vai sentir cansaço nas pernas e dificuldade para respirar. Além disso, algumas pessoas são vitimadas pelo ‘sorochi’, ou mal de altitude, e podem ter dor de cabeça forte, náuseas, vômito e diarreia. Se for o caso, procure uma farmácia, pois há medicamentos locais específicos para isso. Produtos derivados da folha de coca, como chá e balas, também ajudam a combater o mal-estar.

Roteiro no Peru - Huaraz

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 4: Llaganuco (Huaraz)

Dia de acordar cedo no roteiro no Peru, pois os tours para as Lagunas de Llaganuco costumam passar nos hotéis antes das 8h. O passeio começa com uma parada  na pequena e simpática cidadezinha de Caraz, no meio do caminho de 85 quilômetros que separa Huaraz do Parque Nacional Huascarán. Você terá meia hora para dar uma voltinha e tomar café da manhã. Depois, começa a tortuosa jornada por estradas montanha acima em direção às lagunas. Parte do trajeto é feito em estrada de terra e como muitas, mais MUITAS curvas – atenção aqui se você é do tipo de enjoa em ônibus! Quando, por fim, chegar à entrada do parque, é preciso pagar uma entrada de 10 soles (US$ 3) que normalmente não está incluída no preço do passeio. E logo ao lado do estacionamento estarão as Llaganuco!

Tratam-se de duas lagoas – Orconcocha e Chinancocha – localizadas em um profundo desfiladeiro chamado de Quebrada de Llaganuco e ligadas entre si. Elas estão a mais de 3.850 metros acima do nível do mar, em meio à Cordilheira Blanca, e são abastecidas por água do degelo dos inúmeros picos nevados ao redor:  Huascarán (6.768 metros), Huandoy (6.395 metros), Pisco (5.760 metros), Chacraraju (6.108 metros), Yanapaccha y Chopicalqui (6.395 metros). A grande atração é a cor da água das lagoas, que varia do azul turquesa ao verde brilhante dependendo da quantidade de luz que recebem e da posição do sol. Por isso, é importante visitá-las pela manhã, quando o astro-rei as ilumina em cheio! Admire também os raros exemplares da árvore polylepis – cujo tronco parece estar descascando – que brotam ao redor nas lagunas.

Além de admirar a incrível paisagem dos dois espelhos d’água cercados pelas montanhas, você pode alugar um bote para navegar pela primeira lagoa, Chinancocha, e caminhar pela trilha que leva até a segunda lagoa, Orconcocha. Depois, o ônibus faz TODO o trajeto de descida de volta e para para o almoço em algum restaurante pelo caminho, muitas vezes bem meia boca. A refeição é opcional e precisa ser paga à parte.. Por fim, o ônibus ainda faz uma última parada no Campo Santo de Yungay. O local é um cemitério a céu aberto onde podem ser vistos os vestígios do que foi a cidade até 1979, quando um forte terremoto provocou uma avalanche que matou quase todos os 18 mil habitantes. Apenas 400 pessoas sobreviveram. Com isso, o passeio chega ao fim e leva todos de volta a Huaraz, onde chega no fim da tarde.

Roteiro no Peru - Llaganuco

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 5: Geleira Pastoruri (Huaraz)

Mais um dia de acordar cedo neste roteiro no Peru já que, assim como os passeios para Llaganuco, os tours para a Geleira Pastoruri também passam nos hotéis para pegar os turistas antes das 8h. A primeira parada é, novamente, a tradicional parada de meia hora em uma cidadezinha do caminho para o café da manhã. Não na mesma do dia anterior, pois desta vez o ingresso do Parque Nacional Huascarán é feito por uma entrada diferente. O preço sim é o mesmo, 10 soles (US$ 3), e também não costuma estar incluso no valor do tour. Uma vez dentro do parque, o ônibus é conduzido por uma estradinha cênica, cercada de belos vales e montanhas. Normalmente, há duas paradas no roteiro: uma para ver inscrições rupestres e outra para admirar as Puyas raimondii.

Estas plantas gigantescas só crescem nesta parte do mundo e que podem chegar aos 12 metros de altura! Por fim, você é deixado no início da trilha que vai até a base da geleira e que tem cerca de 2 quilômetros. Você estará 5.000 metros acima do nível do mar, portanto esteja preparado para muito frio (lembra quando dissemos para comprar roupas de lã? Pois é). O caminho é cimentado e numa inclinação suave para vencer os 200 metros de altitude restantes, mas é muito difícil de ser percorrido de qualquer maneira. Por quê? Por causa do vento forte, do frio extremo e, principalmente, pela altitude, que faz as pernas pesarem toneladas e nos deixa sem fôlego a cada passo. São cerca de 50 minutos para ir e mais uns 30 para voltar porque para baixo todo santo ajuda.

A trilha deixa você chegar muito próximos dos paredões de gelo e dos lagos que estão se formando ao seu redor graças ao aquecimento do planeta. E é por esse mesmo motivo que, desde 2011, não é mais permitido subir e caminhar no gelo, mas apenas nas áreas de terra demarcadas pelos cordões de isolamento, já que fendas estão se abrindo por toda parte. Estima-se que a Pastoruri desapareça daqui a entre 15 ou 20 anos devido à mudança climática. Mesmo assim, é uma paisagem de tirar o fôlego. No inverno, o sol costuma brilhar e emoldurar tudo com um céu azul indefectível, enquanto no verão você pode se ver em meio a uma bela nevasca! Depois de visitada a geleira, os ônibus fazem o caminho de saída do parque e param em algum restaurante para o almoço. É a última parte do passeio, que em seguida levará você de volta a Huaraz.

Roteiro no Peru - Geleira Pastoruri

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 6: Lagua 69 (Huaraz)

No seu terceiro dia em Huaraz e sexto do roteiro no Peru, você vai ter que cair da cama. Isso porque os passeios para a Laguna 69 não passam nos hotéis às 8h, mas por volta das 6h! A boa notícia é que você não precisa se preocupar com o café da manhã pois, como nos dias anteriores, vai ter aquela parada em algum restaurante/cidadezinha do caminho para forrar o estômago. Depois de feita a primeira refeição do dia, o ônibus vai seguir pela mesma estrada cheia de curvas que te levou a Llaganuco no primeiro passeio. Mas, desta vez, depois de passar a entrada do Parque Nacional Huascarán – onde você vai pagar de novo aqueles 10 soles (US$ 3) -, o tour não vai parar no estacionamento que dão acesso às lagunas. Ele vai passar por elas e seguir por dentro do parque por mais quase uma hora.

Quando a jornada finalmente chegar ao fim, você estará no início da trilha que leva para a Laguna 69, um dos cenários mais incríveis e surreais do mundo. Mas chegar no paraíso não é mole não, hehe. Da base da trilha até a lagoa, são 6,5 quilômetros de distância, o que faz o trajeto ter 13 quilômetros no total. Embora os primeiros 30 minutos de caminhada sejam em terreno quase plano, as 3h30 restantes serão em inclinado ângulo de subida. Você começa a trilha a uma altitude de 4.600 metros e vai subir mais 200 metros. Ou seja, é uma caminhada de seis horas no total – ida e volta – com respiração difícil, taquicardia e pernas muito, muito pesadas. Por isso, aconselhamos que você só encare este passeio se estiver bem aclimatado à altitude e possuir um preparo físico razoável. Além disso, carregue pouquíssimo peso e bastante água. Mas esta caminhada tão sacrificante é muito bem recompensada!

A Laguna 69 é uma das 400 lagoas do Parque Nacional Huascarán, e seu nome equivale ao número com a qual foi ‘inventariada’ pela administração da reserva natural. Sua beleza e fama se devem ao fato de ser uma lagoa glaciar, o que quer dizer que é formada pelo degelo da neve das montanhas em volta, de águas tão puras que sua cor azul intensa salta aos olhos e a tornam uma das coisas imperdíveis do Peru. Além disso, o cenário é emoldurado pelas neves eternas da Cordilheira Branca, de onde cachoeiras de água escorrem até a base da lagoa. É lindo de chorar no cantinho. Só não esqueça de cuidar o relógio em meio a toda essa beleza, pois o ônibus lá embaixo tem hora para sair e você ainda precisa fazer o caminho todo de volta até ele. Uma vez a bordo, é só relaxar, pois será uma viagem direta para Huaraz. Quer saber mais sobre como visitar a Laguna 69? Clique aqui!

Roteiro no Peru - Laguna 69

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 7: Huaraz/Lima

O sétimo dia de roteiro no Peru será dedicado a fazer a viagem de Huaraz até a capital do país, Lima, que fica 400 quilômetros ao sul. Recomendamos que você compre passagem em um bom ônibus leito para percorrer o trajeto e aproveite para relaxar as pernas depois de tantos dias de caminhadas nas alturas do Parque Nacional Huascarán. Você pode adquirir os tickets no seu hotel ou pela internet. Coletivos das empresas Linea Cruz del Sur saem de Huaraz às 9h15 e 11h, respectivamente, sendo que a viagem dura pouco mais de sete horas e custa desde 25 soles (US$ 8) a até 80 soles (US$ 25) dependendo do tipo de ônibus e de assento escolhido. No fim do dia, já em Lima, pegue um táxi para o seu hotel, peça uma indicação de local para jantar e prepare-se para passear pela cidade pelos próximos dois dias.

Roteiro no Peru - Lima

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 8: Lima

Lima costuma ser desprezada como destino de quem viaja ao país, mas nós não concordamos. É um metrópole bem interessante, com atrações diferenciadas e que vem se destacando cada vez mais no cenário do turismo sul-americano, principalmente para quem gosta de gastronomia. Por isso, vamos dedicar dois dias a ela neste roteiro no Peru. A primeira dica para curtir uma metrópole tão grande e com transporte pouco eficiente é se hospedar no lugar certo. E em Lima não há outro que não o belo bairro de Miraflores, de preferência nas proximidades do Parque Kennedy (leia aqui nossas sugestões de onde ficar no Peru). E é exatamente por ele que vamos começar o passeio pela cidade. Esta pequena e simpática área verde é o coração do bairro e se tornou um ponto turístico tanto pelos inúmeros bares e restaurantes ao redor, como pelos feirantes vendendo comida e artesanato e, principalmente… pelos gatos!

⇒ Reserve já seu hotel em Lima e garanta os melhores preços! ⇐

Isso mesmo, o Parque Kennedy é o lar de cerca de 50 bichanos, que vivem soltos por lá e são alimentados pelos moradores. Uma festa para quem ama gatos (nós, nóoooooooooossss!!!!). E para quem não é tão fã assim, é um espaço verde gostoso, sombreado, onde você pode degustar comidinhas e comprar souvenires. Ao redor do parque, pare alguns minutos para admirar a Igreja de la Virgen Milagrosa e o Palácio Municipal, dos anos 30 e 40. Bem em frente a eles fica o Paseo de los Pintores, que recebe artistas locais nos finais de semana. Quando encerrar a passagem pelo Parque Kennedy e arredores, pegue a Avenida Jose Larco e siga em direção ao mar. Em 20 minutos de uma gostosa caminhada pelo bairro, você chegará ao Shopping Larcomar, outra atração local. Em estilo a céu aberto, ele foi construído no alto dos rochedos que formam a costa de Lima e dos seus mirantes pode-se ter uma ampla visão do Oceano Pacífico e das praias da cidade lá embaixo.

Se você já estiver com fome, almoçar aqui é uma ótima pedida, pois há vários restaurantes com sacadas envidraçadas se debruçando sobre o mar. Não há vista mais bonita na cidade! Depois da refeição, fique à vontade para namorar as vitrines das luxas de luxo e, quando der a visita ao Larcomar encerrada, saia pela avenida beira-mar que vai para o lado direito. É o Malecon de la Reserva e por ele vamos margear um trecho dos rochedos em uma deliciosa caminhada com os cabelos ao vento. Um quilômetros depois do shopping, você vai avistar uma ponte, a Puente Villena Rey. Antes de entrar nela, você vai ver à sua direita uma escadinha que desce para a avenida abaixo, a Malecón 28 de Julio. Siga por ela e você chegará à praia. Na sua esquerda, você verá um longo píer e, lá na ponta, no meio do mar, uma bela casa que parece uma antiga mansão todas em madeira. Trata-se do La Rosa Nautica, um dos mais tradicionais e famosos restaurantes de Lima.

É um lugar com preços bem elevados para se fazer uma refeição completa, mas quem quiser conhecê-lo por dentro – é muito bonito! -, pode pedir apenas um pisco sour e sentar nas aconchegantes poltronas com vista para o mar. Depois dessa dose providencial da bebida peruana, volte pelo mesmo caminho que veio lá de cima e atravesse a Puente Villena Rey para seguir com o passeio pelo malecón. Logo adiante, você chegará ao florido e charmoso Parque del Amor, principal atração turística de Miraflores. Ele foi inaugurado no Dia de São Valentim – 14 de fevereiro e data em que se comemora o Dia dos Namorados no mundo todo, menos no Brasil – de 1993 e teve como mote o grande números de casais que se reunia ali todos os dias para admirar o pôr do sol nas águas do Oceano Pacífico. No centro do parque há uma gigantesca escultura intitulada El Beso, cujo autor é o artista peruano Víctor Delfín.

Ela tem 12 metros de largura por 3 de altura e representa um casal de jovens apaixonados beijando-se. Nos coloridos muros do parque – que foram inspirados no Parque Güell de Barcelona -, estão grafadas frases românticas de grandes escritores latinos. É tanto amor que já se tornou tradição entre os recém-casados de Lima ir até lá para tirar fotos depois do ‘sim’ na igreja. Seguindo pelo malecón por mais 10 minutos, você chegará ao Farol la Marina, que fica dentro do Parque Antonio Raimondi e que é ponto final do passeio de hoje. Encontre um banco livre em qualquer ponto da avenida beira-mar que lhe agradar e espere pelo pôr do sol, pois vê-lo descendo nas águas do Pacífico é parte indispensável do turismo em Lima. Depois, retorne ao seu hotel e, á noite, a pedida é a Calle de las Pizzas, uma ruazinha apenas de pedestres que fica no Parque Kennedy – paralela à Calle Berlin e esquina com a Diagonal – e reúne vários bares, restaurantes e… pizzarias, claro!

Roteiro no Peru - Lima

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 9: Lima

No segundo dia em Lima e nono do roteiro no Peru, vamos visitar primeiro a última atração turística restante em Miraflores antes de seguir para outros pontos da capital. Saindo do Parque Keneddy, basta pegar a Avenida Arequipa, que tem um canteiro para pedestres no centro, e seguir caminhando por ela por 20 minutos na direção oposta a do mar. Quando chegar à esquina da Calle Ayacucho, vire à esquerda e em três quadras você estará no sítio arqueológico. ‘Huaca’, como já vimos lá em Trujillo é denominação que se dá a um templo ou local sagrado dos tempos pré-colombianos. A Huaca Pucllana foi um complexo administrativo e cerimonial construído todo em tijolos de adobe e que ocupa uma área de 6 hectares, tendo sido abandonado no ano 700. É um passeio curto e bastante interessante para se conhecer a história peruana, que começou muito antes dos incas. As entradas custam soles 10 soles (US$ 3) e as visitas são feitas apenas em grupos guiados.

Depois do passeio, é hora de se aventurar pelo transporte público de Lima, que não é exatamente nenhuma Bastremp mas também não se sai tão pior assim que o de grandes cidade do Brasil. Volte pelo mesmo caminho que você veio até que, na Avenida Arequipa, encontre a esquina com a Avenida Angamos Este. Pegue a esquerda e siga por ela até chegar a estação de Metropolitano do mesmo nome. O Metropolitano é um ônibus expresso que opera como metrô de superfície e corta a capital de norte a sul. A passagem custa apenas 2,50 soles (US$ 0,75). Pegue o carro em direção a Naranjal e desça na Estação Jirón de la Unión, já em pleno centro histórico de Lima, tombado como Patrimônio Mundial da Unesco. Lima foi fundada pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro em 1535 e, mesmo muito danificada por terremotos, se tornou a capital e mais importante cidade dos domínios espanhóis na América do Sul.

Comece seu passeio pela impressionante Plaza Mayor – onde a cidade nasceu – adornada por belos canteiros floridos e uma fonte de ferro fundido que data de 1650. Ao redor dela estão os principais edifícios históricos da cidade, como o Palácio do Governo – sede da Presidência do Peru -, a Catedral de Lima, o Palácio Arquiepiscopal e o Palácio Municipal. Não deixe de admirar os balcões de madeira ricamente entalhados, típicos da época republicana. Embora não seja tão bela por dentro quanto outras igrejas do Peru, a catedral vale uma visita interna para quem estiver interessado em conhecer o túmulo de Pizarro. Saindo pela Rua Jirón Carabaya, você passa pela Casa del Oidor e, virando na primeira à direita, chega até a Basílica e Convento de San Francisco de Lima. O belo complexo colonial em amarelo e branco vale sim uma visita interna, principalmente para quem gosta de catacumbas sombrias.

Saia do convento e entre à esquerda na Jirón Lampa. Siga até encontrar a Jirón Ucayali e dobre à direita. No número 363 fica o Palácio Torre Tagle, de 1735. Depois de admirar mais esta bela obra de arquitetura, volte ao Jirón Lampa e continue por ele até o Miroquesada, entrando nele á direita. Na esquina com a Jirón Camaná, você encontrará a Casa Riva-Agüero, do século XIX. Para encerra o circuito arquitetônico, siga pela direita no Jirón Camaná, dobre à direita no Junín  e à esquerda no Jirón de la Unión. No número 224 encontra-se a Casa de Aliaga, outro local que vale a visita por fora e por dentro. Trata-se da mais antiga e bem-preservada casa do continente e nela viveram Pizarro e seus descendentes. Para finalizar seu passeio pelo centro histórico, a pedida é almoçar no T’anta, restaurante do grupo do estrelado chef Gastón Acurio e que fica na Pasaje Nicolás de Rivera 142. Depois de satisfeita a fome, hora de voltar ao Metropolitano.

Desta vez, pegue o carro com direção Matellini e desça na Estação Estádio Nacional. Logo ao lado do complexo esportivo, está o Parque de la Reserva, que abriga a última atração de Lima que vamos visitar neste roteiro no Peru. Trata-se do Circuito Mágico del Agua, a maior sequencia de fontes do mundo – com direito a menção no Livro dos Recordes. São 13 fontes espalhadas pela área do parque, onde a água jorra acompanhada de música e show de luzes. Algumas são interativas e fazem a diversão da criançada (e de muito adulto também, hehe). Um passeio simpático e divertido para encerrar o dia. Mas note que o parque não abre nas segundas nem á luz do dia, apenas a partir das 15h. Os ingressos custam apenas 4 soles (US$ 1,25). Depois de se divertir com as ponte, é só pegar o Metropolitano de volta a Miraflores (a estação mais próxima é a Ricardo Palma), ou chamar um táxi e seguir diretamente para o seu hotel.

Roteiro no Peru - Lima

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 10: Lima/Cusco

Seu décimo dia de roteiro no Peru será dedicado à viagem de Lima até Cusco, a mais de 1.100 quilômetros de distância. É claro que a alternativa mais rápida e confortável é voar até o aeroporto da antiga capital do Império Inca, o que fará o trajeto durar apenas 1h25 dentro do avião, além dos deslocamentos de táxi até os terminais e mais a espera pelo embarque. Há companhias regionais e internacionais que operam o trecho com passagens que custam a partir de US$ 70 (preços pesquisados para viajar em maio de 2018).  Mas quem for viajante mão de vaca de verdade vai optar por economizar alguns desses dólares + uma noite de hospedagem e encarar as 21h30 de ônibus entre as duas cidades!

Há várias empresas que fazem o trajeto, mas vamos citar apenas três que testamos e aprovamos em nossas viagens ao país. A primeira delas é a Tepsa, cujo coletivo parte às 16h do Terminal Javier Prado. As passagens custam entre 115 e 155 soles (US$ 36 e US$ 48), dependendo do tipo de assento escolhido (lembre-se que a viagem é muito longa e quanto mais conforto você puder pagar, melhor). A segunda é a Cruz del Sur, a favorita entre os turistas. Os coletivos saem às 14h e às 17h30, também do Javier Prado, e os tickest valem entre 80 e 185 soles (US$ 25 e US$ 57). A terceira é a Oltursa, com partida às 12h45 do Terminal Plaza Norte. As passagens custam entre 165 e 170 soles (US$ 51 e US$ 53).

Roteiro no Peru - Pôr do sol na estrada para Cusco

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 11: Cusco

Finalmente, Cusco! Quer tenha chegado no dia anterior, de avião; quer tenha passado a noite a bordo de um ônibus, seu 11º dia de roteiro no Peru será dedicado a conhecer o melhor da cidade. Cusco foi nada menos do que a capital do Império Inca, tendo sido fundada pelo imperador Manco Capac no século XI ou XII. Depois do fim do império, em 1532, o conquistador espanhol Francisco Pizarro invadiu e saqueou a cidade. A maioria dos edifícios incas foi destruído para dar início ao processo de conversão do povo indígena ao catolicismo e, sobre eles, ergueram-se igrejas e mosteiros. Por isso, Cusco hoje é muito mais uma encantadora cidade colonial espanhola do que um local onde visitar ruínas incas. Situada 3.400 metros acima do nível do mar, exige dos visitantes cuidados com o ‘sorochi’ – o mal de altitude. Mas, como você já terá passado por Huaraz, não deve sentir nada desta vez.

⇒ Reserve já seu hotel em Cusco e garanta os melhores preços! ⇐

Comece seu passeio na cidade pegando um táxi até o sítio arqueológico de Saqsaywaman, que fica a dois quilômetros do centro histórico. Claro que você pode ir a pé se quiser mas, como o caminho é montanha acima, recomendamos que você pelo menos suba até lá de carro. Saqsaywaman era uma fortaleza e exemplo impressionante da arquitetura militar inca. Hoje, ainda podem ser vistos e visitados três grandes terraços dispostos em ziguezague. As enormes muralhas de granito se estendem por cerca de 300 metros, com pedras de até 5 metros de altura e cujo encaixe é tão perfeito que não se consegue enfiar uma faca entre elas. Para entrar, é preciso comprar o Boleto Turístico de Cusco geral (130 soles, US$ 40) ou Circuito 1 (70 soles, US$ 22). Depois da visita, desça de volta para o centro e dirija-se à belíssima Plaza de Armas, que é o coração da cidade. Ao redor dela, estão algumas das principais atrações turística de Cusco.

A primeira é a Catedral, que começou a ser construída em 1560 e levou quase 100 anos para ficar pronta. Não deixa de fazer uma visita ao luxuoso interior, todo em estilo barroco, que tem ouro e prata coloniais e mais de 400 pinturas da Escola de Cusco. A entrada custa 25 soles (US$ 8). Quando sair da catedral, vá para a direita. Bem ao lado da igreja, você vai encontrar uma passagem de pedestres chamada Cuesta del Almirante. Siga por ela e você vai sair bem em frente ao Museu Inka, que funciona em um belo palácio colonial. A exposição é obrigatória para quem quer entender um pouco mais sobre a história inca. Há múmias, cerâmicas, tecidos, joias e objetos de metal e ouro. A entrada custa 10 soles (US$ 3). Quando deixar o museu, vá para sua esquerda, pela Calle Córdoba del Tucumán. Quando encontrar a esquina com a Choquechaka, entre nela á direita e, na próxima esquina, à direita novamente.

Você terá chegado à Calle Hatunrumiyoc, outra passagem de pedestres cercada por vestígios de muros incas. No meio dela, na sua esquerda, você vai encontrar a famosa pedra de 12 ângulos, que impressiona pela precisão do encaixe. Siga mais um pouco pela rua, até a esquina com a Calle Loreto e entre nela à esquerda. São duas quadras de caminhada até sair diretamente na frente do Convento de Santo Domingo. O edifício religioso foi construído exatamente em cima do Qorikancha, o antigo templo inca dedicado a a Inti, o deus-sol. Dentro do convento, é possível ver os vestígios da construção original e, nos fundos, a sobreposição da construção colonial sobre os alicerces incas. A entrada custa 10 soles (US$ 3). E vamos encerrar o primeiro dia em Cusco e 11º do roteiro no Peru por aqui, porque já vimos o bastante. À noite, escolha um dos restaurantes com balcões coloniais da Plaza de Armas para um jantar com vista.

Roteiro no Peru - Cusco

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 12: Vale Sagrado (Cusco)

Para o seu segundo dia em Cusco e 12º do roteiro no Peru, recomendamos que você reserve um tour para percorrer parte do Vale Sagrado, a região nos arredores da cidade onde os incas encontraram terras férteis para plantar às margens do Rio Urubanba. Um dos passeios mais populares é que combina o sítio arqueológico de Moray com as Salineras de Mara. A primeira parada será Moray, que parece mais um anfiteatro grego do que uma obra inca, mas trata-se na verdade de um gigantesco laboratório agrícola. Em cada um dos seus terraços, os incas testavam o desenvolvimento de culturas a diferentes níveis de umidade e temperatura. Há vestígios de que mais de 250 tipos de cereais e legumes tenham sido plantados lá. Para entrar, é preciso apresentar o Boleto Turístico de Cusco geral (130 soles, US$ 40) ou Circuito 3 (70 soles, US$ 22).

A segunda parada do tour será nas Salineras de Maras. Sua existência remonta há mais de 2.000 anos, quando se iniciou a produção de sal no local através das fontes de água salobra da região. A água que brota da terra naturalmente é direcionada para mais de 3.000 piscinas construídas em terraços cada vez mais baixos, por onde vai passando e caindo através de um intricado sistema de pequenos canais. Visto lá do alto da estrada, o cenário é surreal e as tornam uma das coisas imperdíveis o que fazer no Peru! Nas piscinas, a água evapora e o sal pode ser coletado pelos trabalhadores das salineras. O local é todo gerido e operado pela comunidade local da cidade de Maras, que cobra uma entrada de 10 soles (US$ 3) pela visita. Este é um tour mais curto que os demais pelo Vale Sagrado, e você deve estar de volta a Cusco entre às 15h e 16h.

Roteiro no Peru - Moray

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 13: Vale Sagrado (Cusco)

No seu terceiro dia em Cusco e 13º de roteiro no Peru, a pedida é fazer mais um tour pelo Vale Sagrado, que abriga realmente muitas atrações interessantes. Vamos deixar algumas sugestões, e você escolhe a que lhe interessar mais. Os passeios das agências normalmente combinam três locais em um dia – os roteiros variam conforme e empresa – e existe também a opção de fechar apenas o transporte com um taxista para conduzi-los pelos pontos turísticos escolhidos (pergunte referências no seu hotel. A primeira sugestão é a cidade de Pisac (a 32 quilômetros de Cusco), que abriga a segunda ruína inca mais importante do vale e também um famoso mercado de artesanato.

Em Chinchero (28 quilômetros), a atração é a igreja construída sobre alicerces incas e cujas paredes são cobertas por desenhos florais e religiosos. Em Tipón (25 quilômetros) pode-se admirar um pitoresco conjunto de terraços, canais e escadas de pedra. O circuito de Tambomachay fica a apenas 8 quilômetros do centro de Cusco e inclui três sítios arqueológicos – Tambomachay, Puca Pucara e Qenko – onde é possível admirar as habilidades artísticas e arquitetônicas dos incas. Para visitar qualquer um destes locais, você precisa ter em mãos o Boleto Turístico de Cusco geral (130 soles, US$ 40) ou parcial dependendo das atrações escolhidas (70 soles, US$ 22). O Circuito 1 dá ingresso em Tambomachay, Puca Pucara e Qenko. O Circuito 2, em Tipón. E o Circuito 3, em Pisac e Chinchero.

Roteiro no Peru - Chinchero

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 14: Cusco/Ollantaytambo

Neste 14º dia do roteiro no Peru, é hora de fazer as malas e o check out no hotel. Não se preocupe porque não é fim da visita a Cusco, mas é preciso se deslocar mais longe pelo Vale Sagrado para conhecer os dois principais sítios arqueológicos incas de todo o Peru. Acorde o mais cedinho que puder e vá para a Calle Pavitos para pegar umas das inúmeras vans que partem dela em direção a Ollantaytambo por apenas 10 soles (US$ 3). Ela está localizada 82 quilômetros a noroeste de Cusco, e é a única cidade inca ainda habitada. Assim que chegar lá, deixe suas coisas no hotel e vá imediatamente visitar as ruínas, antes que os tours vindos de Cusco lotem o lugar até não poder mais.

⇒ Reserve já seu hotel em Ollantaytambo e garanta os melhores preços! ⇐

Trata-se, nada mais, nada menos, do que um dos complexos arquitetônicos mais monumentais do antigo Império Inca. Comumente chamado fortaleza devido a seus descomunais muros, foi na realidade um ‘tambo’, ou cidade-alojamento, localizado estrategicamente para dominar o Vale Sagrado. Curiosamente, muitos acreditam que a cidade tenha sido erguida neste ponto por causa da figura de um rosto humano que pode ser vista nas montanhas logo em frente e que os antigos habitantes acreditariam ser um deus inca. Mas isso não é verdade, já que o rosto só surgiu depois de um terremoto que ocorreu no século XX. Um dos destaques do sítio, situado em uma colina que domina a cidade, é o Templo do Sol e seus gigantescos monolitos. Para entrar, é preciso apresentar o Boleto Turístico de Cusco geral (130 soles, US$ 40) ou Circuito 3 (70 soles, US$ 22).

Algumas das rochas utilizadas na construção são encontradas somente a alguns quilômetros da cidade, o que revela o domínio de técnicas avançadas de transporte pelos incas.  Na parte de baixo das ruínas, já quase na saída, não deixe de admirar também os Baños de la Princesa, considerada a fonte inca mais bonita que ainda pode ser vista. Depois da visita ao sítio, perca sua tarde passeando pelo povoado. Habitado desde o século XIII, o lugar é uma atração em si. Admire as casas típicas, ruas de pedra, canais e restaurantes convidativos. Um lugar onde os moradores tentam manter viva as últimas tradições incas. À noite, recomendamos dormir bem cedinho, pois o dia seguinte do roteiro no Peru será longo e de bastante esforço físico em direção a… Machu Picchu!

Roteiro no Peru - Ollantaytambo

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 15: Ollantaytambo/Trilha Inca

No seu 15º dia de roteiro no Peru, é hora de pôr uma mochila nas costas e partir pela Trilha Inca rumo a Machu Picchu! Mas atenção a duas coisas. A primeira é que este roteiro no Peru tem tempo suficiente apenas para fazer a versão curta do caminho (23 quilômetros percorridos em dois dias e uma noite). Para a versão clássica – 45 quilômetros percorridos em quatro dias e três noite -, é necessário acrescentar mais dois dias à sua viagem. A segunda e mais importante, e que é preciso reservar vaga na Trilha Inca – curta ou clássica – com de 6 A NO MÁXIMO 4 MESES DE ANTECEDÊNCIA! Apenas 500 viajantes podem entrar no caminho por dia e as vagas se esgotam muito rapidamente. E não tem choro nem vela, o acesso é controlado rigorosamente pelo governo peruano e apenas agências autorizadas podem levar turistas pela trilha.

⇒ Reserve já seu hotel em Aguas Calientes e garanta os melhores preços! ⇐

Os preços dos pacotes são bastante salgados, partindo de US$ 400 em agências bem avaliadas. O Escolha Viajar contratou e recomenda a Brasil de Mochila (confira o site deles aqui). Bom, se você fez a reserva direitinho, sua aventura em direção a Machu Picchu começa logo cedo. A primeira parte do trajeto é feita de trem. Você embarca na estação de Ollantaytambo e segue até o quilômetro 104 da ferrovia. Lá, o trem fará uma parada para que os caminhantes possam descer. Um guia encontrará você e as demais pessoas do seu grupo neste ponto para começar a caminhada propriamente dita. A trilha inicia nos 2.150 metros de altitude e termina no mesmo dia, 10 quilômetros depois, na Porta do Sol de Machu Picchu (2.400 metros acima do nível do mar).

Não é nem de longe um esforço físico tão grande quanto o que você já fez nas trilhas de Huaraz, mas é bom saber que não é nenhuma moleza. Afinal, é tudo montanha acima, sendo quem alguns trechos são de subida em degraus íngremes. No caminho você passa por dois conjuntos arqueológicos, o de Chachabamba e o impressionante Wiñaywayna. Neste último o cenário é de tirar o fôlego e os guias aproveitam para fazer uma pausa e servir o almoço (todas as refeições estão incluída no pacote da trilha). Da Porta do Sol, você vai descer para dar uma rápida olhada panorâmica na cidade inca, mas não vai visitá-la ainda. O guia leva o grupo de ônibus até o vilarejo de Aguas Calientes, que fica aos pés de Machu Picchu, para um jantar e uma boa noite de sono na cama de um hotel simples. E está encerrada a Trilha Inca e seu 15º dia de roteiro no Peru.

Roteiro no Peru - Trilha Inca

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 16: Machu Picchu/Cusco

E finalmente, no seu 16º dia de roteiro no Peru…. Machu Picchu! O dia começa muito cedo, pois às 7h o guia já estará esperando para tomar o café e levar o grupo de ônibus de volta à cidade perdida dos incas. Eleito uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, o sítio arqueológico abrange um conjunto de mais de 170 edifícios construídos no século XV pelo mais poderoso dos imperados incas, Pachacuti. A cidade se dividia entre o setor agrícola – formado por terraços cultiváveis e armazéns – e o setor urbano – onde estavam os templos e casas – e é provável que tenha sido construída para marcar a presença inca em uma região isolada, assim como para servir de refúgio ao imperador e sua família. Acabou abandonada na mesma medida em que o império inca era dominado pelos espanhóis e só foi encontrada novamente em 1911.

Logo depois de passar a roleta de entrada, você subirá à esquerda até a Casa de Vigilância. É de lá que se registra a foto mais clássica de Machu Picchu e que todo mundo quer guardar. É uma visão realmente impressionante. Depois, você desce em direção ao centro das ruínas e vai passar pelo Templo do Sol, pelos aposentos reais, o Templo das Três Janelas, a pedra Intihuatana, a praça principal, a Rocha Sagrada – onde fica a entrada para Huayna Picchu -, o Templo Principal e seus espelhos d’água, o Templo do Condor e termina de volta nos terraços cultiváveis, onde iniciou o trajeto. Quem tiver interesse em subir as montanha Machu Picchu ou Huayna Picchu (recomendamos!), deve avisar isso no momento da compra do pacote com a agência, pois é necessário ter um ticket específico para poder fazer a subida. Desde 2017, por questões de preservação, a visita a Machu Picchu pode durar no máximo quatro horas.

Se você tiver interesse em ficar mais tempo, será preciso comprar outro ingresso, sair do sítio e retornar no turno da tarde. Isso também deve ser avisado no momento da compra do pacote! Mas se você cumprir as quatro horas regulares, mais a subida de uma das montanhas, mais as trilhas para a Ponte Inca e/ou Porta do Sol – que não são cronometradas -, já terá feito uma visita bem completa às ruínas. Fica a critério do seu interesse – e orçamento – estender a visita por mais um turno. Quando o guia tiver terminado sua parte, vai entregar a você o ticket de trem para a volta. No fim da tarde, você terá que estar na estação no horário de embarque para retornar a Ollantaytambo. Lá, um motorista estará esperando pelo grupo para conduzir todos de carro ou van até Cusco. E assim termina o dia mais aguardado do roteiro no Peru. Temos certeza de que você não terá se decepcionado! E se quiser saber TUDO sobre como visitar Machu Picchu, clique aqui.

Roteiro no Peru - Machu Picchu

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 17: Cusco/Puno

No seu 17º dia de roteiro no Peru, é hora de se deslocar de ônibus mais uma vez pelas estradas peruanas. O destino é Puno, localizada às margens do Lago Titicaca, na fronteira com a Bolívia, e última parada deste roteiro no Peru. Para fazer o trajeto, a única opção é a empresa Cruz del Sur, que é a mais cara do país mas pelo menos também é conhecida como a melhor. A viagem dura 6h30 e pode ser feita em dois horários: às 8h e às 22h. Para os propósitos desta viagem, você deve comprar o que parte pela manhã. As passagens custam entre 29 e 80 soles (US$ 9 e US$ 25). Os coletivos partem do terminal próprio da empresa, que fica um pouco afastado do centro, por isso é melhor pegar um táxi até lá. Uma vez em Puno, pegue outro táxi até o seu hotel.

⇒ Reserve já seu hotel em Puno e garanta os melhores preços! ⇐

Quando chegar à recepção, peça para que reservem um tour pelo Lago Titicaca para o outro dia logo cedo que vá tanto para Uros quanto Taquile (já já explicaremos do que se trata cada uma).  Alguns hotéis em Cusco oferecem serviço de reserva prévia, pois o trajeto de uma cidade para a outra é bastante comum entre os turistas. Se for do seu interesse garantir o tour com antecedência, informe-se antes de partir da antiga capital dos incas. Mas não é uma necessidade, visto que há muitas empresas que operam passeios de barco pelo lago e com certeza nunca faltará lugar. Enfim, aproveite o fim do dia para descansar e procurar um restaurante para jantar. Puno é uma cidade bem sem graça e não oferece outros atrativos turísticos além do Titicaca.

Roteiro no Peru - Lago Titicaca

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro no Peru – Dia 18: Puno

Último dia de roteiro no Peru! Dia também de acordar cedinho, pois os passeios de um dia inteiro pelo Lago Titicaca costumam pegar os turistas por volta das 8h. Localizado na fronteira entre o Peru e a Bolívia, que dividem seu domínio, o Titicaca é o mais alto lago navegável do mundo: mais de 3.800 metros acima do nível do mar. Sua imensidão de águas de um azul profundo se espalha por uma superfície de 8.300 km². Foi nele, segundo reza a tradição andina, que nasceu a civilização inca. Instruído pelo deus Sol a buscarem um local ideal para iniciar seu povo, Manco Capac e Mama Ocllo encontraram abrigo na Isla del Sol e ali iniciaram seu império. Os incas dominaram a região entre os séculos XII e XVI, quando se deu a invasão espanhola.

Curiosamente, a Isla del Sol fica do lado boliviano do Titicaca e não pode ser visitada a partir do lado peruano. As que ficam no no Peru são as ilhas de Uros, Taquile, Amantani e Suasi, sendo que normalmente apenas as duas primeiras são visitadas durante o passeio. A primeira parada costuma ser Taquile, que está a três hora de distância do píer de Puno. A ilha é famosa por seus produtos têxteis, considerados da mais alta qualidade, e você pode comprá-lo diretamente das comunidades indígenas durante sua visita à ilha. Mas o grande destaque de Taquile é a bela paisagem, sendo um local perfeito para caminhadas bordejando o mar. No povoado, existe uma escadaria de 567 degraus que se pode subir para ter uma visão da ilha do alto. Vale destacar ainda que Taquile é habitada apenas por comunidades indígenas.

Depois do passeio por ela, os barcos costumam levar os turistas para restaurantes nas ilhas que servem almoços típicos – o preço da refeição pode estar ou não incluído no preço do tour, pergunte antes. Após a refeição, é hora de seguir para Uros, que ficam bem mais próximas de Puno do que as demais – apenas 30 minutos de barco. Tratam-se das famosas ilhas artificiais do Titicaca, construídas sobre blocos de totora, que é uma espécie de junco. Há mais de 40 e nelas vivem famílias indígenas em busca principalmente de atrair turistas. Nas ‘islas flotantes’, você pode ver casas, barcos, igrejas e colégios. Depois da visita, o barco vai retornar ao píer, pondo fim a este fantástico roteiro no Peru. Basta voltar ao seu hotel, preparar as malas, ter uma boa noite de sono e, no dia seguinte, retornar ao Brasil com lembranças fantásticas de uma viagem inesquecível!

Roteiro no Peru - Lago Titicaca

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

*** O Escolha Viajar esteve no Peru em novembro/2012, maio/2013 e dezembro/2015 ***

Posts relacionados

Deixe um comentário

2 comentários

Myron 21 de julho de 2018 - 08:34

Pessoal, parabéns pela postagem. Estou pretendendo fazer minha primeira viagem internacional e o roteiro de vocês para o Peru está bem legal. Quero fazer tudo de ônibus, como vocês, em um prazo de 18 dias. Chegando por Lima e voltando por Lima, isso fica muito complicado?

Responder
Escolha Viajar 22 de julho de 2018 - 22:51

Olá, Myron!
Não, é bem simples. Na ida, você pode comprar uma passagem do Brasil direto para Trujillo. Assim, quando desembarcar em Lima, é só fazer a conexão doméstica sem nem sair do aeroporto. Na volta, você terá que se deslocar de Puno até o aeroporto de Juliaca, que fica a 30 quilômetros de distância, para fazer um voo doméstico até Lima e, de lá, a conexão internacional para o Brasil.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder