Página inicial EuropaItália Roteiro na Toscana para quem tem de 1 a 8 dias de viagem

Roteiro na Toscana para quem tem de 1 a 8 dias de viagem

por Escolha Viajar
Roteiro na Toscana - Mapa

Já se passaram 14 anos desde que Diane Lane encantou o mundo ao interpretar a escritora Frances Mayes que, em sua jornada para se recuperar de uma traição e um divórcio, acaba comprando uma casa caindo aos pedaços na região italiana da Toscana. O filme se chama ‘Sob o Sol da Toscana’ e, desde então, nunca se criou definição melhor para este pedaço de terra localizado no coração da Itália. A Toscana é uma sucessão de campos cultivados com vinhedos, papoulas e girassóis que se estendem por colinas suaves entremeadas por cidades medievais e estradas de terra cercadas por ciprestes. Tudo reluz sob o sol como uma pintura perfeita! Por isso, considere ficar pelo menos uma semana na região ao planejar seu roteiro na Toscana.

⇒ ONDE SE HOSPEDAR NA ITÁLIA e gastar pouco dinheiro
⇒ GUIA DE VIAGEM ITÁLIA: Tudo que você precisa saber!

Mas é claro que nem todo mundo dispõe de tanto tempo de viagem para explorar uma única região. Por isso, elaboramos uma sugestão de roteiro que engloba algumas das melhores atrações da região, assim como as cidades mais populares. Começando pela maior e mais importante localidade da Toscana, Florença, e, a partir dela, avançando a cada dia para outros pontos turísticos e cidades. Por isso, se você tem um dia para visitar a Toscana, leia o ‘dia 1’; se forem dois, o ‘dia 2’ e assim sucessivamente. Ao mesmo tempo, como as distâncias são pequenas, você pode facilmente pegar o ‘dia 1’ e pular diretamente para o ‘dia 8’ ou qualquer outro se for uma opção que atende melhor seu gosto ou bolso.

Mas ficam duas recomendações para qualquer roteiro na Toscana. A primeira é alugar um carro. A região oferece inúmeras atrações, mas um sistema de transporte bastante limitado, principalmente se você quiser visitar as cidades menores. Além disso, viajar de trem ou de ônibus não permite que você pare para ver as belezas que se descortinam pelo caminho, nem parar para tirar fotos. Alugar um carro na Itália não é caro e as estradas e sinalização são razoáveis, mas é preciso ter muito cuidado ao estacionar e até ao entrar em cidades medievais, pois, em muitas delas, a circulação de veículos é vetada e você pode levar uma bela multa.

A segunda recomendação é sobre o clima. Se quiser ver os campos da Toscana floridos, a época é a primavera (março-maio). Para a colheita da uva, viaje em setembro. Se você não tem medo de frio ou quer ver neve, o seu negócio é a baixa temporada de inverno (dezembro-fevereiro), quando os preços ficam mais camaradas e os pontos turísticos, vazios. Mas lembre-se que é quando os dias ficam mais curtos também, o que pode reduzir a quantidade de passeios que você consegue aproveitar enquanto há luz. Quanto ao verão na Toscana (junho-agosto), aprecie com moderação.

SEGURO VIAGEM com 5% de desconto
O Seguro Viagem é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e protege sua saúde no exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

A Itália, como quase todos os países do Velho Continente, está preparada para enfrentar o frio e a neve, mas não o calor. Os prédios retém o aquecimento proporcionado pelo sol transformando-os em verdadeiras estufas, e ventiladores e ares condicionados não são muito fartos. Certifique-se que o seu hotel tem um se for viajar nessa época. E tenha em mente que há uma boa chance de todas as cidades e atrações estarem lotadas e com filas quilométricas na porta. Feitas as devidas considerações, confira a sugestão de roteiro na Toscana do Escolha Viajar:

Roteiro na Toscana – Dia 1: Florença

Só tem um dia de viagem na Toscana? Então reserve-o para conhecer as principais atrações de Florença, a maior cidade da região e também a mais recheada de atrações. Pegue um mapa da cidade no seu hotel e se dirija à Piazza del Duomo, onde fica a belíssima Catedral di Santa Maria del Fiore, a terceira maior igreja do mundo. Construído entre 1296 e 1412, o templo é o mais admirado exemplar da arquitetura típica toscana da época em que suas cidades eram pequenos países (chamados de repúblicas) e foi projetado por grandes nomes do Renascimento. Você pode entrar para vê-la de graça, é só encarar as longas filas que se formam na porta. Já quem quiser subir ao domo – todo decorado com afrescos -, entrar no campanário de Giotto e batistério precisa comprar ingresso. Confira os preços e horários no site oficial da catedral.

⇒ Vai para Florença? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Depois da visita, siga caminhando pelas fascinantes ruelas medievais – admirando todos os palácios, praças e igrejas que encontrar pelo caminho – até chegar à Piazza della Signoria, onde está localizado o Palazzo Vecchio, antiga sede do poder da República de Florença. Nessa praça ficam uma bela fonte de Netuno, uma galeria de arte renascentista a céu aberto – a Loggia dei Lanzi – e também uma cópia do Davi de Michelangelo, pois era neste lugar que ele ficava antes de virar peça de museu. Falando em museu, o Palazzo Vecchio foi transformado em um, o que significa que você pode visitá-lo por dentro e conhecer todo o luxo em que vivia a corte dos Medice, a família que governou Florença por séculos. Confira todos os preços e horários no site oficial do palácio.

Roteiro na Toscana - Palazzo Vecchio

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Logo atrás do palácio, você vai encontrar a entrada para a Galleria Degli Uffizi, um dos mais importantes e antigos museus do mundo. Se você só tem um dia na cidade, é melhor gastar um pouco mais e comprar um ingresso corta-fila, caso contrário poderá perder até uma hora esperando para entrar na galeria (se você tem dois dias pode relaxar, pois é possível empurrar alguma programação eventualmente perdida no primeiro para o segundo). Além disso, reserve pelo menos duas horas para percorrer as inúmeras alas deste palácio medieval e admirar o Nascimento de Vênus, de Sandro Boticelli, e Tondo Doni, de Michelangelo, além de dezenas de outras obras famosas que tornaram Florença o maior polo cultural do Renascimento. Confira os preços e horários no site oficial da Uffizi.

Depois de admirá-la, é hora de voltar pela rua principal da parte antiga de Florença – a Via Ricasoli – e seguir até a Galeria dell’Accademia (preços e horário aqui). Este museu foi construído especialmente para abrigar o Davi de Michelangelo, que antes ficava exposto ao ar livre, em frente ao Palazzo Vecchio. Encomendada para decorar a Catedral de Florença e esculpida durante três anos em um gigantesco bloco de mármore branco (1501 a 1504), a obra se revelou tão assombrosa que se tornou símbolo da República de Florença. Ela tem mais de cinco metros de altura e retrata o personagem bíblico David antes de entrar em combate com Golias. E ‘c’est finit’, agora é só procurar um lugar para jantar e encerrar o dia tendo visitado as principais atrações de Florença em apenas um dia de roteiro na Toscana.

Roteiro na Toscana - Galeria dell’Accademia

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 2: Florença

Tem dois dias para viajar pela Toscana? Ótimo, dedique-o à Florença também, pois a cidade tem muitas atrações a oferecer e não vale a pena gastar seu exíguo tempo se locomovendo para outro lugar. O primeiro ponto turístico do dia é a Basílica da Santa Croce di Firenze. A entrada é paga, mas vale a pensa desembolsar alguns euros para conhecer esta igreja que é o local de descanso final de figuras ilustres como Galileo Galilei, Dante Alighieri e do próprio Michelangelo. Confira todos os preços e horário no site oficial da basílica. Seguindo adiante da adiante, você vai se deparar com o Rio Arno e, a cerca de cinco minutos de caminhada para a direita, a Ponte Vecchio.

Essa é uma ponte como poucas pelo mundo, pois é totalmente coberta de pequenos prédios onde funcionam joalherias e lojas que vendem relógios. Cruze-a e, do outro lado do Rio Arno, você pode seguir até o Palazzo Pitti e visitar tanto seus museus – há vários dentro do prédio – quanto os famosos jardins renascentistas conhecidos como Giardino di Boboli, decorados com estátuas e fontes. Os ingressos para o palácio e para os jardins podem ser comprados juntos ou de forma separada. O site oficial do Palazzo Pitti parece estar em manutenção, mas você pode encontrar todas as informações sobre preços e horário neste artigo do ‘Visit Florence’.

Para encerrar o dia, ainda do outro lado do Rio Arno, pegue uma pizza e suba o morro em direção à Pizzale Michelangelo. Se não tiver um mapa na mão basta seguir a multidão de turistas, pois todos estarão indo para lá, hehe. Das escadarias desta praça, onde existe outra cópia do Davi de Michelangelo, você verá um pôr do sol belíssimo sobre o rio enquanto as luzes do Duomo se acendem. Para brindar ao espetáculo, pizza e cerveja italiana, que é vendida geladinha em barraquinhas na própria praça. Depois, hora de voltar para o hotel e descansar um pouco antes de seguir viagem pela região em seu terceiro dia de roteiro na Toscana.

Roteiro na Toscana - Pizzale Michelangelo

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 3: Florença/Siena

Três dias para visitar a Toscana? Então é hora de se mexer um pouco e deixar Florença em direção a outra antiga república italiana: Siena. Você pode fazer o trajeto de trem, mas é tão curto que fica muito mais econômico e simples ir de ônibus. Os coletivos saem com frequência e percorrem a distância de 75 quilômetros em cerca de 1h15 minutos. Embora tenha sido uma república tão poderosa quanto Florença, Siena é uma cidade com um número menor de atrações turísticas e que pode ser conhecida em apenas um dia. Comece pela Piazza del Campo, cenário do famoso Palio di Siena e que abriga o belo Palazzo Pubblico, antiga sede do poder da república e onde hoje funciona um museu.

⇒ Vai para Siena? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Depois, siga para a Catedral de Siena, ou ‘Duomo di Siena’. Embora seja apenas uma entre dezenas de belíssimas construções religiosas medievais da região da Toscana, esta igreja com certeza guarda uma visão especial aos visitantes, sendo muito mais bonita do que a vizinha famosa, a Catedral de Florença. Contemplar sua fachada cheia de detalhes, suas portas gigantescas e o painel de vidro que reflete o céu já seria de bom tamanho, mas o prédio construído lá pelos idos de 1200 é uma atração que vale a pena pagar para conhecer por dentro. Todo o interior é decorado com mármore preto e branco, as cores símbolo da antiga República de Siena. As gigantescas colunas impressionam, assim como a magnífica cúpula e o piso todo decorado com ilustrações.

Inúmeras obras de arte decoram o ambiente, entre elas peças de Michelangelo e Donatello. Uma vez dentro da catedral, você pode ver também a incrível Libreria Piccolomini, uma pequena sala com belas pinturas e gigantescos livros medievais, mas é preciso pagar um ingresso extra de 2 euros. Para visitar os demais prédios que compõem o complexo da catedral, como a cripta e o museus, você pode comprar ingressos individuais ou passes que dão direito a certas entradas ou total. Todos os horários de funcionamento e preços podem ser consultados no site oficial da catedral. Para finalizar seu dia em Siena, visite a Basílica Cateriniana San Domenico, de onde se tem uma bela visão das ruelas da cidade medieval.

Roteiro na Toscana - Catedral de Siena

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 4: Siena/Montalcino

Se você tem quatro dias ou mais de viagem para conhecer a região, recomendamos alugar um carro para completar seu roteiro de viagem na Toscana. Esta não é a forma mais econômica de se viajar, mas com certeza é o meio de transporte ideal para quem quer ver as famosas paisagens da Toscana, parar para tirar fotos nos campos de girassóis e estradas de ciprestes e pode conhecer várias pequenas cidades cheias de charme em menos tempo. Nossa dica matadora é: alugue o carro em Siena, onde os preços são muito mais amigáveis do que em Florença! Saia pela manhã e trace no GPS ou no mapa do smartphone o caminho até a minúscula cidade de Montalcino, a 42 quilômetros de distância.

Famosa no mundo todo pela sua produção de vinhos, ela detém duas denominações de origem controlada: o Brunello e o Rosso de Montalcino. Uma vez na cidade, deixa suas coisas no hotel e peça indicação de uma vinícola para visitar. Se você quer ver vinhedos a perder de vista e fazer uma degustação por preço honesto, recomendamos o Castello Banfi, mas existem dezenas de outras, pequenas e grandes, espalhadas pelas encostas de Montalcino. De volta à cidade, você pode continuar se deliciando com os vinhos locais nas ‘wine shops’, que oferecem doses de degustação por de 1 a 3 euros. Depois, é só escolher um dos restaurantes da única rua de Montalcino para jantar.

Roteiro na Toscana - Castello Banfi

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 5: Montalcino/Pienza/San Gimignano

Cinco dias na Toscana? Parece muito tempo, mas há tanto para ver na região que você pode reservar uma semana inteira para passear por ela sem nenhum arrependimento. Se você tem essa disponibilidade, é hora de deixar Montalcino e aproveitar para conhecer a bela abadia medieval de Sant’Antimo, que fica nas proximidades. Depois, é só marcar no GPS a cidade de Pienza, a 22 quilômetros de distância. No caminho, atenção ao lado direita da estrada, ou você perderá uma das paisagens mais famosas da Toscana: a Cappella della Madonna di Vitaleta. Ela está abandonada e fechada, mas ainda faz bonito em meio aos campos do vilarejo de San Quirico d’Orcia. Para vê-la de perto é preciso pegar uma estrada de chão à direita da rodovia e pular o portão da propriedade.

⇒ Vai para Montalcino? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Seguindo pela estrada, você chegará a outra joia medieval: Pienza, ideal para um passeio pelas ruelas acolhedoras e um almoço nos degraus da minúscula praça central. Depois de algumas horas de visita, é só voltar ao carro e seguir viagem. Se seu tempo de férias acabou, dirija-se à sua cidade de partida. Se não, vá para San Gimignano, uma das cidades mais populares e turísticas da Toscana e que fica a 113 quilômetros de distância. Peça ao seu hotel indicação de onde estacionar o carro, pois não é permitido guiar dentro das muralhas. Uma vez instalado, você pode comprar um vinho e alguns sanduíches de pão italiano para jantar nas escadarias da catedral e apreciar um momento raro na cidade: quando ela está praticamente vazia de turistas!

Roteiro na Toscana - Cappella della Madonna di Vitaleta

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 6: San Gimignano

Seu sexto dia de roteiro na Toscana será dedicado a conhecer San Gimignano. Esta pequena cidade ganhou o cômico apelido de ‘Manhattan da Toscana’ por causa de suas torres medievais, que lembrariam o skyline de Nova York (diríamos que é preciso uma boa dose de vinho para chegar a essa comparação, hehe). São nada menos do que 14 estruturas que atingem até 50 metros de altura e que consistem na grande atração desta pequena cidade. Você pode começar o dia subindo na Torre Grossa, que é aberta ao público mas cobra uma entrada salgada, pois o mesmo ticket dá acesso a vários museus da cidade durante dois dias. Mas quem tem euros sobrando no orçamento de viagem, com certeza será recompensado com uma bela vista da cidadela medieval e região (preços e horários aqui).

⇒ Vai para San Gimignano? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Depois, visite a esplêndida catedral, o Duomo di San Gimignano, cujas paredes e teto são completamente cobertas de afrescos pintados por artistas renascentistas do século XIV e que retratam cenas do Velho e do Novo Testamento. A entrada na igreja é paga e não é permitido tirar fotos no seu interior, mas o lugar é muito bonito e vale as restrições (preços e horários aqui). Quanto ao resto do dia, perca-se pelas ruelas medievais, saboreie sorvete artesanal na Piazza della Cisterna, escolha um dos inúmeros restaurantes para se deliciar com a comida italiana e tira milhares de fotos, pois a arquitetura de San Gimignano é realmente única. À noite, repita tudo para ver a cidade sob a luz das estrelas.

Roteiro na Toscana - Torre Grossa

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 7: San Gimignano/Volterra/Lucca

Uma semana é tempo suficiente para fazer um roteiro na Toscana 99% completo. No sétimo dia, é hora de deixar San Gimignano e colocar seu carro italiano na estrada novamente, desta vez com direção à pequena Volterra (29 quilômetros de distância). Outra joia medieval da Toscana, Volterra merece uma visita de algumas horas não só pelas tradicionais praças, igrejas e palazzos (que a essa altura já podem estar se tornando meio repetitivos), mas por exibir também uma herança ainda mais antiga que a da Idade das Trevas: a etrusca. Ela pode ser vista na Porta all’Arco (na foto) e na Acropoli Etrusca. A cidade tem ainda um sítio arqueológico romano.

Depois da visita e de um bom almoço, você tem duas opções, dependendo da duração da viagem. Se o seu tempo acaba aqui, é hora de dirigir até Pisa para conhecer a mais famosa torre da Itália (que não é uma torre, mas falaremos tudo sobre ela no próximo tópico). Se você tem mais um dia disponível para o seu roteiro na Toscana, siga caminho até Lucca, a 95 quilômetros de distância. É uma cidade grande para os parâmetros da região, mas que ainda assim ostenta um belo patrimônio medieval. Novamente, pergunte ao seu hotel onde é permitido andar e estacionar o carro, pois o acesso dentro das muralhas é restrito a moradores! Aproveite a noite para comer uma pizza na Piazza dell’Anfiteatro.

Roteiro na Toscana - Porta all’Arco, em Volterra

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Roteiro na Toscana – Dia 8: Lucca/Pisa

Seu oitavo dia de roteiro na Toscana será corrido e deve começar logo cedo para conhecer todas as atrações de Lucca. Embora a cidade seja grande para fora das muralhas, dentro dela é possível percorrer tudo a pé. Visite a bela Catedral di San Martino por fora e por dentro, pois vale a pena pagar a barata entrada para conhecer seu interior construído pelos idos de 1400 (horário e preços aqui). Passe também pela Igreja di San Michele in Foro, pela Basílica di San Frediano, pela Torre delle Ore, suba na Torre Guinigui para ter uma bela vista panorâmica da cidade e passe à luz do dia pela inusitada Piazza dell’Anfiteatro, que foi construída em cima da base de um anfiteatro romano.

⇒ Vai para Lucca? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Concluído o roteiro por Lucca, é hora de seguir até a cidade vizinha de Pisa, que fica a apenas 17 quilômetros de distância, para conhecer a tão famosa torre torta da cidade! Como dissemos acima, a Torre de Pisa não é uma torre, mas o campanário de uma igreja medieval. Na arquitetura toscana daquela época, o campanário era construído separadamente do corpo do edifício principal. Foi exatamente um erro no projeto de construção que deixou a torre de quase 57 metros inclinada em 4 graus e a tornou um dos pontos turísticos mais famosos do mundo.

A Catedral de Pisa fica no Campo dei Miracoli, onde você pode circular à vontade e tirar todas as fotos que quiser, inclusive aquelas divertidas ‘segurando’ a torre. Entrar na igreja também é de graça, basta retirar um ‘free ticket’ na bilheteria no local. Já para subir na torre pelo lado de dentro é preciso pagar 18 euros pelo ingresso individual, ou 26 pelo ticket combinado para visitar os demais prédios que compõem o conjunto – batistério e museu. Confira todos os preços e horários no site oficial da Torre de Pisa. Terminada a visita, está encerrado seu roteiro na Toscana! Você pode continuar viajando pelo país (confira aqui nossa sugestão de roteiro pela Itália) ou embarcar de volta para o Brasil 😉

Roteiro na Toscana - Torre de Pisa

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

*** O Escolha Viajar esteve na Toscana em agosto de 2015 ***

Posts relacionados

Deixe um comentário

2 comentários

Sérgio Roberto Figueiredo 6 de maio de 2021 - 19:31

Prezados boa noite. Li os comentários sobre a Toscana. Porém gostaria de tirar uma dúvida. No roteiro de cidades a conhecer consta descidas e subidas entre as cidades como se segue abaixo.
Gostaria de saber se posso realizar um roteiro mantendo a descida pelas cidades se segue também abaixo.
O roteiro lido é ; Florença/ Siena / Montalcino e Montepulciano. Ao chegar em Montepulciano começa a subir novamente indo a Volterra/ Luca e Pisa. Será que poderia ficar assim: Florença/Luca/ Pisa/ Volterra/ San Gimignano/ Siena/ Montalcino/ Montepulciano e finalizaria já bem próximo de Roma. Há alguma dificuldade nesse roteiro em relação as estradas, logística etc. att. Sérgio Roberto.

Responder
Escolha Viajar 7 de maio de 2021 - 22:29

Olá, Sérgio!
É um bom roteiro, não vejo dificuldade nenhuma em executá-lo desde que você esteja de carro alugado ou qualquer outro veículo próprio que te dê autonomia de transporte entre tantas pequenas cidades. Fazer isso de ônibus e trem seria bem mais complicado e demandaria muito tempo. Nosso roteiro deu uma volta pela Toscana porque retirar e devolver o carro no mesmo local sai muito mais barato do que pegá-lo em uma cidade e retorná-lo para a locadora em outra. No nosso caso, buscamos o carro em Siena, fizemos o ‘giro’ pela região descrito no post e o devolvemos lá de novo antes de seguir de ônibus para Cinque Terre, no norte.
Um grande abraço,
Tici&Marquinhos

Responder

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para melhorar sua experiência. E, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Saiba Mais