Página inicial OceaniaAustrália Melbourne

Melbourne

por Escolha Viajar
Melbourne
Melbourne
De carro ou de ônibus, a Great Ocean Road é arrebatadora
Melbourne
A London Bridge encerra a Great Ocean Road com chave de ouro
Melbourne
Melbourne abriga o Australian Open, um dos 4 grandes torneios de tênis
Melbourne
Bondes são atração turística em Melbourne
Melbourne
Os Twelve Apostles são o ponto alto da Great Ocean Road
Melbourne
O Fitzroy Gardens foi a melhor surpresa da cidade
Melbourne
Melbourne vista do Shrine of Remembrance
Melbourne
O Yara River dá um ar europeu à cidade
Melbourne
Coalas podem ser vistos na floresta preservada da Great Ocean Road

COMO CHEGAR: há voos diretos de Sydney, que duram apenas uma hora.

CLIMA: é um fator que varia muito conforme o local que você for conhecer, já que a Austrália é do tamanho de um continente. Os estados do norte geralmente têm clima quente a maior parte do tempo, enquanto os do sul têm invernos mais frios. Embora seja um dos locais mais secos do mundo e possua um grande deserto, pode chover sim, e muito, dependendo da época do ano que você viajar. Por isso, meu conselho sincero é que você pesquise exatamente como é na cidade que vai conhecer (há todas as regiões no link que coloquei no Sites de Referência). Mas sem dúvidas, minha recomendação de melhor época para conhecer o país é no verão (dezembro a março), quando se pode aproveitar ao máximo suas principais atrações: as praias. Melbourne tem uma reputação de clima instável, mas em geral ele é bem dividido, com verões quentes, primaveras e outonos amenos e agradáveis e invernos frios. A temperatura média é de 25°C no verão e de 14°C no inverno. As chuvas são maiores de maio a outubro.

FUSO HORÁRIO: são 13 horas a mais do que o horário de Brasília na região leste, onde fica a cidade descrita neste roteiro. Mas sendo um país de dimensões continentais, a Austrália possui mais dois fusos: 12h30 a mais no centro, e 11h no oeste.

DOCUMENTOS: é preciso pedir visto prévio para turismo na Austrália e também ter a vacina contra a febre amarela. Ela pode ser feita gratuitamente nos postos de saúde e é válida por dez anos, tendo que ser feita no mínimo dez dias antes da viagem. Após tomar a dose, é preciso levar o comprovante até o posto da Anvisa para que seja emitida a carteira internacional de vacinação. Já o pedido de visto é feito através do site da embaixada. É preciso preencher um formulário em inglês, pagar a taxa de solicitação (115 dólares australianos na época) e enviar toda a documentação requerida para análise. A resposta chega no seu e-mail em poucos dias (não é preciso enviar o passaporte junto, o visto é eletrônico).

HOSPEDAGEM: embora os preços de hostels na Austrália sejam bem salgados, eles costumam compensar pela localização e instalações oferecidas. É o caso do Melbourne Central YHA, que fica na avenida central da cidade – como já diz o nome – e de onde se pode conhecer a pé todas as suas principais atrações. Os quartos são confortáveis, e os banheiros gigantes e limpíssimos. Minha única ressalva para este hostel é que, na noite de sábado, havia uma festa no térreo e o barulho se espalhava por todos os andares do antigo prédio. Mas isso é algo que se vê em muitos albergues. No mais, recomendadíssimo.

SEGURO VIAGEM com 5% de desconto
O Seguro Viagem é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e protege sua saúde no exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

Pesquise mais opções de hospedagem em Melbourne

COMO SE LOCOMOVER:
Táxi – só é necessário para se locomover do e até o aeroporto.
Transporte público – se não for visitar regiões distantes da cidade, também não é preciso usar.  O bonde turístico faz um passeio pela área central, mas o mesmo circuito pode ser feito a pé.
Carro – não é necessário. Além disso, como uma cidade grande, Melbourne tem seus engarrafamentos de fim de tarde.
A pé – é o melhor jeito de conhecer a parte central a turística da cidade, que não abrange uma área muito grande, embora haja boas pernadas.

ROTEIRO*:

Dia 1 – sexta, 23/03/2012

Depois de uma corrida sem precedentes do aeroporto até o centro e de parar o ônibus na esquina (sorte que ele estava preso no sinal vermelho), cheguei a Melbourne e embarquei diretamente em uma excursão para Philip Island para ver a Pinguin Parade. Consegui recuperar o fôlego nas duas horas de estrada da cidade até a ilha, mas chegando lá achei que a correria fora toda em vão pois chovia e o frio era intenso. Comprei um cobertor na loja de souvenirs e me posicionei na arquibancada construída na beira da praia para esperar os animaizinhos. O espetáculo dos minúsculos pinguins que saem do mar logo após o pôr do sol para dormir em terra é algo incrível. Nem chuva nem frio poderiam tirar a graça daquele passeio. Uma pena que não seja possível tirar fotos, para que as luzes não assustem os bandos, que chegam rápidos e tropeçando em busca de refúgio na reserva natural da ilha. Depois, é possível observá-los bem de perto nas passarelas de madeira construídas em meio ao parque. A preocupação em preservá-los sem a interferência humana é tanta que, quando um pinguim resolveu cruzar o tablado onde estávamos, fomos obrigados a parar, sob chuva torrente, e esperar o bonito passar!

O Yara River dá um ar europeu à cidade

O Yara River dá um ar europeu à cidade

Dia 2 – sábado, 24/03/2012

Definitivamente, percorrer a Great Ocean Road de carro é a melhor opção. Mas não dispondo dela (ou de carteira de motorista), o jeito foi conhecer a famosa rodovia em ônibus de excursão mesmo. Confesso que o frio de 10ºC e o dia sem um raio de sol tiraram boa parte da beleza do passeio e do meu entusiasmo. Começamos por Bell’s Beach, uma praia popular entre os surfistas encravada entre rochedos altíssimos, que proporcionam uma bela vista. Depois, Anglaise, onde fica a placa que sinaliza o início da Road. O ônibus foi descendo e subindo morros, passando por dezenas de praias e baías fascinantes, e meu humor começou a melhorar, embora ainda tiritasse de frio no fundo do ônibus. Pausa para o almoço em Apollo’s Bay, cercada de vegetação, e comi um quebab sentada em meio às dunas. À tarde, uma rápida caminhada na floresta tropical regional, onde os coalas podem ser vistos nas árvores. Um deles deu o ar da graça praticamente na altura dos nossos rostos e conseguimos fotos incríveis. Amolecida pelo ‘fator fofura’, finalmente comecei a curtir o passeio. Até porque, em seguida, chegamos ao ápice da Road: os Twelve Apostles. As formações rochosas em um milhão de tons de marrom, amarelo e vermelho que se erguem pontudas a metros da praia são realmente fascinantes, mesmo que não tenha havido tempo de descer até a praia e nem tenha ocorrido o famoso pôr do sol pelo tempo completamente encoberto. Depois, a viagem só melhorou com a presença de outras pedras erodidas em formas fascinantes, como a Loch Ard Gorge (um grande abismo entre dois rochedos que se abre para uma minúscula baía), a Bay of Islands e a London Bridge, que encerra a Great Ocean Road com chave de ouro.

Os Twelve Apostols são o ponto alto da Great Ocean Road

Os Twelve Apostles são o ponto alto da Great Ocean Road

Dia 3 – domingo, 25/03/2012

Finalmente, um dia para ver Melbourne. Acordei cedinho, mas o frio quase me fez desistir de sair. Coloquei todas as roupas da mala umas por cima das outras e encarei os 10ºC, não sem tomar um café quentinho antes. Primeira parada na Flinders Street Station, o belo prédio da maior estação de trens da cidades. Em seguida, a modernidade da Federation Square, que reúne restaurantes, centro de exposições e museus. Em frente, a bela St. Paul’s Cathedral. Mas, de longe, a melhor atração da cidade foi o Fitzroy Gardens, com suas flores em canteiros planejados, fontes e uma estufa tão cheia de cores e cheiros que não consegui passar menos do que uma hora lá dentro. Uma grata surpresa se comparada ao Botanic Garden, que visitei na parte da tarde e me decepcionou bastante pelo aspecto mal cuidado. Mas antes de chegar até lá, uma volta pelo Melbourne Olimpic Park, passando pelo pitoresco estádio em forma de bolas de futebol e pela Road Lover Arena, onde ocorre um dos quatro grandes torneios de tênis do mundo – o Australian Open. De lá, voltei pelas margens do Yarra River, cruzei a ponte e encontrei uma série de bares ribeirinhos, logo abaixo da Federation Square. Almoço ali, com boa ceva e um sanduíche apimentado, tudo na beira do rio e debaixo do aquecedor. Finalizei indo ao Queen Victoria Gardens (um parque pequeno e agradável, mas sem grandes atrativos), ao Shrine of Remembrance (um belo prédio construído como memorial de guerra e de onde se tem uma bela vista da cidade), e voltando pelo outro lado do Yarra River, onde encontrei um pitoresco bar que funciona ao redor do pilar de uma das pontes. O Ponyfish Island tem boa cerveja e clima animado, um ótimo lugar para aproveitar o sol que resolveu dar as caras justo nos meus últimos momentos de estadia em Melbourne.

O Fitzroy Gardens foi a melhor surpresa da cidade

O Fitzroy Gardens foi a melhor surpresa da cidade

  • Tici passou 30 dias na Austrália para aperfeiçoar seu inglês, portanto esse roteiro só contempla os finais de semana, quando ela viajava para conhecer um pouco do país

Posts relacionados

Deixe um comentário

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para melhorar sua experiência. E, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Saiba Mais