Página inicial Dicas de viagem 29 atrações pelo mundo que podem decepcionar você

29 atrações pelo mundo que podem decepcionar você

por Escolha Viajar
O Relógio Astronômico de Praga foi uma das nossas decepções de viagem

A foto acima retrata muito bem a expectativa que criamos sobre algumas atrações turísticas ou lugares pelo mundo. Quem vê essa multidão se acotovelando em uma rua de Praga, na República Tcheca, pensa que está à espera da aparição do papa, da rainha da Inglaterra ou de um show de fogos de tantas toneladas quanto as do Ano Novo de Sydney. Mas o que eles verão em instantes é apenas uma das muitas decepções de viagem que você pode encontrar pelo mundo.

⇒ 10 ERROS DE VIAGEM mais comuns e saiba como evitá-los
⇒ VERÃO EUROPEU PODE SER UMA ROUBADA: Veja 10 motivos

Quando o relógio da torre da praça der as horas, duas portinhas minúsculas se abrirão e delas sairão alguns bonequinhos de madeira que fazem movimentos limitados. Eles fica ali girando por uns 30 segundos, voltam para dentro da engrenagem e, ao fim, um galo dourado que fica sobre o relógio solta um ‘pó’ tão fraco que muita gente segue filmando o ‘espetáculo’, sem perceber que ele já acabou…

Às vezes passamos tantos anos vendo fotos, sonhando, planejando e, quando a viagem finalmente acontece, não aceitamos nada menos do que a perfeição criada no nosso imaginário. Só que não percebemos que imagens muito bem recortadas e coloridas, de forma a exatamente despertar nosso desejo de viajar, escondem boa parte da realidade ao redor de uma atração ou lugar.

Você pode tirar uma foto deslumbrante do famoso pôr do sol de Oía, na Ilha de Santorini, sem mostrar que teve que passar uma hora esperando e ser empurrado e pisoteado por uma multidão para conseguir aquele único e belo clique. Outras atrações que viram decepções de viagem vêm acompanhadas de uma história grandiosa, e, de certa forma, ainda esperamos encontrá-las como eram em seu passado glorioso, e não como são nos dias de hoje.

SEGURO VIAGEM com 5% de desconto
O Seguro Viagem é OBRIGATÓRIO para a maioria dos países da Europa e protege sua saúde no exterior. Faça aqui sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Use o código promocional: ESCOLHAVIAJAR5!

Pelo lado de fora, o Coliseu ainda parece pulsar como uma verdadeira arena de guerra, onde lutadores se digladiarão até a morte em uma batalha para lá de sangrenta. Mas, por dentro, não há mais arquibancadas, arena ou nada que lembre tudo aquilo, além do esqueleto da estrutura de pedra e um emaranhado de escavações arqueológicas. E você descobre isso depois de ter passado, provavelmente, horas em uma fila quilométrica para fazer a visita.

Conheça esta e outras atrações pelo mundo e que podem virar grandes decepções de viagem:

Viaje para o exterior com internet no celular
Chegue ao seu destino com o celular funcionando! A EasySim4u oferece plano de dados em países do mundo todo para que você fique conectado à internet o tempo todo. Faça simulação de preços e compre aqui!

Decepções de viagem 1 – Monalisa, no Museu do Louvre (Paris, França)

Clássico das decepções de viagem, o famoso retrato pintado por Leonardo da Vinci costuma frustar expectativas tanto pelo seu tamanho diminuto quanto pela distância que fica do público. O quadro mede apenas 77 cm x 53 cm e está separado dos turistas por um cordão de isolamento de pelo menos dois metros de distância.

⇒ Reserve já seu hotel em Paris e garanta os melhores preços! ⇐

Além disso, o grosso vidro à prova de balas causa reflexos que impedem fotos nítidas. E se, mesmo assim, você for tentar se aproximar dele, prepare-se para enfrentar uma multidão de turistas se estapeando por um mínimo espaço em frente ao retrato, sem falar nas lentes gigantes e paus de selfie que os orientais costumam acertar na sua cabeça.

Decepções de viagem - Monalisa, exposta no Museu do Louvre (Paris, França)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 2 – Livraria Lello, em Porto (Portugal)

Localizada na Rua das Carmelitas, 144, a famosa Livraria Lello é um dos endereços mais procurados pelos turistas que cada vez mais invadem a bela cidade de Porto, em Portugal. Este belo edifício, inaugurado em 1906, é frequentemente citados nas listas de livrarias mais belas do mundo.

⇒ Reserve já seu hotel em Porto e garanta os melhores preços! ⇐

Mas a grande fama da Lello começou mesmo depois que a escritora J. K Rowling declarou que seu cenário, dominado por uma magnífica escadaria em madeira e carpetes vermelhos, havia servido de inspiração para que ela criasse alguns dos cenários da consagrada saga de Harry Potter. Aí, danou-se… Você imagina o tamanho da fila de qualquer atração ligada ao menino bruxo? Pois na Lello não é diferente. Ela se estende no mínimo por metade do quarteirão.

E olha que não é de graça! Custa 4 euros para entrar no recinto, o que não é nada barato para os padrões de Portugal. Você visita igrejas imensas e históricas por menos do que isso.

E, depois da espera e do gasto, você ainda se verá dentro do minúsculo ambiente de dois andares, espremido por dezenas de outros turistas que se debatem entre escolher um livro no qual gastar os 4 euros de voucher do ingresso (missão quase impossível, tudo lá custa mais que isso) e tentar tirar uma foto na escadaria sem que os outros passem na frente (missão: impossível).

O prédio é bonito? É. Vale a pena o aperto e o gasto? Não. Entre apenas se for fã do personagem ou se tiver interesse em arquitetura, mas pode passar reto apenas como ponto turístico.

Decepções de viagem - Livraria Lello, em Porto (Portugal)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 3 – Lixo e superlotação em Bali, na Indonésia

Não é uma surpresa que a Ilha de Bali, na Indonésia, tenha sido eleita o melhor lugar para se visitar no mundo pelo ranking do site TripAdvisor de 2017. Afinal, quem vê cara, não vê coração. Ou melhor dizendo, quem vê o mar multicolorido das paradisíacas praias de Bali não vê o lixo, a poluição e a superpopulação que proliferam pela ilha. Mas é até difícil acreditar que o problema não seja notado, já que é latente.

Há lixo na areia, boiando no mar, névoa de poluição encobrindo o horizonte, aglomerados de turistas e vendedores em praias onde deveria imperar a beleza natural. Até mesmo os sagrados macacos da ilha sofrem com a sujeira e se tornaram viciados em ‘junk food’, tentando arrancar salgadinhos e Gatorade da mãos dos turistas. Toda a fama de refúgio espiritual que Bali construiu nos anos 70, quando era uma ilha conhecida apenas por surfistas, ioga e praticantes de hinduísmo, foi pelo cano.

Embora sua beleza e encanto não tenham se perdido totalmente, hoje eles convivem com ordas de turistas asiáticos em seus tradicionais tours de ônibus para cima e para baixo, além de milhares de jovens australianos em busca de baladas, bebidas e drogas a preço de banana. Centro turístico da empobrecida Indonésia, a ilha ainda atrai muitos moradores locais em busca de prosperidade. E junto com eles chegam os megaresorts e estradas que desbravam praias antes quase intocadas.

Decepções de viagem - Lixo em Bali, na Indonésia

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 4 – Andar sozinho pelas ruas da Índia

Quem vê as belíssimas imagens do Taj Mahal não consegue conceber a miséria e pobreza que convivem ao redor dele e de qualquer atração turística da Índia. Não importa o quanto você tenha lido sobre este país asiático, nada prepara você o suficiente para a sujeira, poluição e multidão que vai encontrar fora da ‘bolha’ de uma excursão.

Caminhar pelas ruas de uma cidade indiana é uma aventura regada a muito fedor, fumaça, urina, esgoto, escarros e bosta, para falar com todas as letras que precisam ser ditas. Sem contar a eterna perseguição que pedintes, vendedores, motoristas de ‘tuk tuk’, de riquixá e pequenos golpistas promovem aos turistas que se arriscam a saírem sozinhos do hotel.

Decepções de viagem - Ruas de Agra (Índia)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 5 – Relógio Astronômico, no centro histórico de Praga (República Tcheca)

Eleita a atração turística mais decepcionante do mundo, o ‘show’ dos bonequinhos do Relógio Astronômico de Praga costuma arrastar multidões para a praça central do centro histórico, embora ocorra regularmente três vezes por dia. É praticamente impossível caminhar pela rua em frente à torre nesses aguardados momentos, sendo possível ver turistas correndo, esbaforidos e desesperados em não perder a atração.

⇒ Vai para Praga? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Quando o relógio da torre da praça der as horas, duas portinhas minúsculas se abrirão e delas sairão alguns bonequinhos de madeira que fazem movimentos limitados. Eles fica ali girando por uns 30 segundos, voltam para dentro da engrenagem e, ao fim, um galo dourado que fica sobre o relógio solta um ‘pó’ tão fraco que muita gente segue filmando o ‘espetáculo’, sem perceber que ele já acabou…

Decepções de viagem - Relógio Astronômico de Praga (República Tcheca)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 6 – Interior do Coliseu, em Roma (Itália)

Pelo lado de fora, o Coliseu ainda parece pulsar como uma verdadeira arena de guerra, onde lutadores se digladiarão até a morte em uma batalha para lá de sangrenta. Mas, por dentro, não há mais arquibancadas, arena ou nada que lembre tudo aquilo, além do esqueleto da estrutura de pedra e um emaranhado de escavações arqueológicas. O lugar é tão decepcionante que, se você parar para pensar por dois segundos, vai perceber que nunca viu uma foto do interior do Coliseu na vida. Mas só descobre isso depois de ter passado, provavelmente, horas em uma fila quilométrica para fazer a visita.

⇒ Vai para Roma? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐
Decepções de viagem - Interior do Coliseu, em Roma (Itália)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 7 – Canal do Panamá, na Cidade do Panamá

Consagrada como uma das maiores obras de engenharia concebidas pela mente humana, o Canal do Panamá é decepcionante pra chuchu como atração turística. Além de cara (são US$ 15 para entrar), você vai ver um navio chegar no canal, o canal encher, o navio passar e ir embora… Algo vital para a economia mundial, mas sem sentido nenhum para o viajante. Isso se você vir um navio, porque às vezes há intervalos de horas entre um passagem e outra! Nem mesmo o museu local, com cineminha, salva o lugar da chatice.

⇒ Vai para Cidade do Panamá? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐
Decepções de viagem - Canal do Panamá, na Cidade do Panamá

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 8 – Troca da Guarda do Palácio de Buckingham, em Londres (Reino Unido)

É provável que muitos apaixonados pela terra da rainha protestem contra esse item, mas a verdade é que o disputadíssimo espetáculo matinal da troca da guarda da residência real é tão divertido quanto um desfile de Sete de Setembro. Primeiro, porque a multidão de turistas que você enfrenta para vê-lo beira as raias da insanidade. Toda a praça fica completamente lotada, mesmo não sendo alta temporada de férias.

⇒ Vai para Londres? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Se você conseguir se estapear por algum ponto com campo de visão, vai assistir mais de 45 minutos de coreografias marciais ao som da banda. A parte mais emocionante é quando a cavalaria entra e sai pelos portõezzzzzzzzzzzzz. Se você faz questão de ver os soldados da rainha e tirar fotos com eles, vá à Torre de Londres, onde alguns homens guardam as joias da coroa e ficam bem próximos do público, sem nenhuma necessidade de ser pisoteado.

Decepções de viagem - Troca da Guarda do Palácio de Buckingham, em Londres (Reino Unido)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 9 – Via Sacra, em Jerusalém (Israel)

É claro que ninguém busca o caminho feito por Jesus Cristo em seus instantes finais esperando um show de luzes e fogos de artifício, mas a Via Sacra está bem abaixo disso como atração turística. Jerusalém é uma cidade dividida entre várias religiões e, embora algumas das estações da Via sejam marcadas por igrejas e capelas, a maioria não passa de um número enferrujado colocado na parede, às vezes meio encoberto por barraquinhas de souvenires.

⇒ Vai para Jerusalém? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

E só mesmo invocando a paciência divina você consegue esperar as hordas de turistas passarem pelas estreitas ruelas da Cidade Velha e deixarem um espacinho para você tirar fotos das numerações.

Decepções de viagem - Via Sacra, em Jerusalém (Israel)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 10 – Empire State, em Nova York (EUA)

Subir ao topo do Empire State Building é mais uma daquelas atrações turísticas que se criaram em cima do histórico do lugar. Afinal de contas, este foi o edifício mais alto do mundo durante 41 anos! Seus 443 metros, construídos em estilo art deco, são um símbolo cultural e também do poderio industrial americano.

⇒ Vai para Nova York? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Tudo isso gera uma grande expectativa em quem se prepara para visitar o Empire State, uma expectativa quase tão grande quanto as filas de espera para subir no icônico elevador, que podem levar mais de duas horas em alta temporada (mesmo tendo que reservar os ingressos antecedência). Depois de tanta espera, você chega ao 86º andar para realizar seu grande sonho e se depara com o óbvio: do Empire State não é possível ver o Empire State.

Então você até tem uma bela vista de Nova York aos seus pés, mas sem o seu símbolo máximo. Além disso, como grande atração da cidade que é, o deque de observação costuma estar superlotado, e é difícil se movimentar ou encontrar um cantinho junto à grade para tirar suas fotos. Imagens sem um monte de gente atrás e dos lados é quase impossível. Você leu ‘grade’?

Isso mesmo, todo o 86º andar é protegido por altas grades de ferro por conta do elevado número de suicídios no local. Ou seja, fotos da paisagem até podem ser feitas por entre as barras, mas imagens suas sem o instrumento de proteção atrás não tem como… Melhor guardar seu dinheiro e subir ao menos concorrido Top of The Rock, de onde se tem a mesma vista da cidade, mas COM o Empire State ao fundo e SEM grades.

Decepções de viagem - Empire State, em Nova York (EUA)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 11 – Canais de Aveiro (Portugal)

A cidade de Aveiro ganhou o apelido de ‘Veneza Portuguesa’ porque também é cortada por canais. Localizada em uma ria – uma entrada costeira formada pela submersão parcial de um vale de rio -, a cidade já foi rica e poderosa graças aos seus canais, mas hoje trata-se de um pacato município de cerca de 80.000 habitantes e muitos turistas. Sua principal atração são os canais, é claro, por onde navegam os moliceiros, barcos típicos que antigamente recolhiam o moliço.

⇒ Reserve já seu hotel em Aveiro e garanta os melhores preços! ⇐

Muito maiores que as gôndolas de Veneza, eles são coloridos e trazem nas proas e popas desenhos e frases picantes, às vezes com figuras de mulheres seminuas. Os barcos hoje se movem por força de um motor e as belas velas decoradas – que muitas vezes são vistas em fotos e cartões-postais de Aveiro -, já não existem mais. Ou seja: as semelhanças com Veneza param aqui. Os barcos até são bonitinhos, coloridos e ficam bem nas fotos, mas o  passeio neles é muito frustrante.

Isso porque só existem dois ou três canais em Aveiro, ao contrário de Veneza, onde são centenas ou talvez milhares. Além disso, Aveiro é uma cidade comum e você passa com o barco vendo shoppings e outros prédios sem graça durante longos 45 minutos… Não há nenhuma relação com a histórica Veneza e sua fascinante arquitetura medieval.

Vá a Aveiro, sim, mas para curtir o clima gostoso da cidade à beira dos canais, provar as delícias da culinária local – como o leitão à bairrada e os ovos moles – e passear pelas casas coloridas da Praia da Costa Nova. Mas não vá pelos barcos e canais, pois será uma grande decepção com certeza. Aveiro está muito, mas MUITO longe de ser Veneza!

Decepções de viagem - Canais de Aveiro (Portugal)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 12 – Passeio de gôndola em Veneza (Itália)

Sonho de 11 entre 10 casais apaixonados que viajam, o passeio de gôndola pelos canais de Veneza pode acabar se revelando uma grande decepção. Além de custar os olhos da cara (65 euros em 2015) e durar apenas 30 minutos, ele não tem nada de romântico. Os gondoleiros não cantam, não se oferecem para tirar fotos, ficam falando ao celular, conversando entre si ou jogando ‘Pokémon Go’ enquanto conduzem o barco em meio a canais superlotados de outras gôndolas.

⇒ Vai para Veneza? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Alguns mais irritadinhos chegam a gritar com turistas que  desobedeçam a ordem de não levantar. Além disso, seus companheiros de passeio serão outras gôndolas lotadas de famílias ou excursões de orientais, pois dividindo entre seis o custo fica menos pesado. Se quiser aquele passeio dos sonhos, é melhor encomendar com um guia de turismo e se preparar para pagar por isso.

Decepções de viagem - Passeio de gôndola em Veneza (Itália)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 13 – Pôr do sol em Oía, na Ilha de Santorini (Grécia)

Ver o astro rei descer em meio ao mar Mediterrâneo, emoldurado pelos rochedos da ilha mais famosa da Grécia, com suas casinhas e moinhos brancos, é sim uma beleza. O problema é o que você precisa enfrentar para ter acesso a essa visão. Todos os dias, ao final da tarde, hordas de turistas se deslocam por toda ilha para chegar até o vilarejo e buscar um cantinho para ver o entardecer. Mas Oía é um minúsculo amontoado de hotéis e restaurantes de luxo sobre os penhascos e os lugares não são ilimitados.

⇒ Vai para Santorini? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Se quiser sentar na linha de frente do espetáculo terá que chegar por lá pelo menos uma hora antes do pôr do sol, mesmo fora da alta temporada. Assim que o disco dourado se aproximar do horizonte, a multidão começará a pressionar os que estão à frente para ter um espaço para suas fotos. Isso sem falar nos fotógrafos profissionais, que guardam os melhores pontos de visão para depois cobrar para registrar uma imagem sua com o famoso entardecer ao fundo. É dose para leão…

Decepções de viagem - Pôr do sol em Oía, na Ilha de Santorini (Grécia)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 14 – Museu dos Corações Partidos, em Zagreb (Croácia)

O pequeno acervo virou notícia e sucesso na Europa pela originalidade da ideia. Afinal, não é todo dia que se pode visitar um lugar que guarda as memórias de como relacionamentos pelo mundo todo chegaram ao fim. Mas, na prática, o museu é bem sem graça.

⇒ Vai para Zagreb? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

Cerca de 50 objetos são expostos em salas brancas, acompanhados de pequenas plaquetas que discorrem sobre o motivo de aquele sapato, vaso ou martelo ter marcado o fim de um grande amor. Algumas histórias até prendem a atenção, mas a maioria não gera qualquer comoção. Depois de ler quatro ou cinco você já se arrependeu de ter pago a entrada, mesmo sendo barata.

Decepções de viagem - Museu dos Corações Partidos, em Zagreb (Croácia)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 15 – Rio Nilo, Egito

Não há como não criar grandes expectativas a respeito do rio onde se banhou Cleópatra, que viu nascer, reluzir e morrer a inigualável civilização egípcia, que guarda em suas margens alguns dos maiores tesouros arqueológicos do mundo. Mas a verdade é que o Nilo é um rio de águas escuras e quase nenhuma beleza. Os cruzeiros turísticos não passam mais do que três dias navegando por ele, e as visões não são muito animadoras.

Uma névoa de poluição costuma borrar o horizonte, e as margens são tomadas por casebres e prédios sem acabamento oriundos das periferias das cidades ribeirinhas. Isso quando seu navio não é perseguido por barquinhos, de onde vendedores jogam suas mercadorias para tentar vender aos turistas. E ‘ai’ de você se tentar lançar de volta…

Decepções de viagem - Rio Nilo, Egito

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 16 – ‘Guinness Storehouse’, em Dublin (Irlanda)

Todo apreciador de cerveja ou mero turista curioso pela Irlanda já colocou uma visita à cervejaria Guinness entre seus sonhos de viagem. Mas, se você espera poder conhecer o processo de fabricação do delicioso líquido escuro, está muito enganado. A fábrica da Guinness foi transformada em uma espécie de Disney cervejeira: um grande complexo turístico de oito andares e bar panorâmico onde você pode ver quase tudo, menos como realmente se fabrica a Guinness.

⇒ Vai para Dublin? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

O lugar funciona como um museu interativo que conta a história da cerveja escura mais famosa do mundo, oferece cursinho de degustação e até ensina como servir uma Guinness com perfeição. Além disso, há bares e restaurantes onde você pode fazer refeições regadas a Guinness por uma pequena fortuna. Embora proporcione sua dose de diversão, de fábrica de cerveja o lugar não tem nada…

Decepções de viagem - 'Guinness Storehouse', em Dublin (Irlanda)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 17 – Topo da Torre Eiffel, em Paris (França)

Primeiro, você paga mais caro para subir ao topo do que ao segundo andar da tore mais famosa do mundo. Segundo, você enfrenta uma fila de cerca de uma hora de espera para conseguir um lugar no único elevador que faz o trajeto até o alto. Terceiro, você disputa quase no tapa um lugar entre a multidão de turistas para conseguir chegar espremido até a grade…

Para ter exatamente a mesma vista de Paris que se descortina do segundo andar! Fora que a grade dificulta bastante para tirar fotos. Ainda bem que existe um bar à champanhe por lá para compensar a subida. Uma taça custa os olhos da cara (de 13 a 22 euros conforme o tipo de bebida e tamanho do copo), mas com certeza ajuda a atenuar a decepção.

Decepções de viagem - Topo da Torre Eiffel, em Paris (França)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 18 – Estrada de Ciprestes de La Foce, na Toscana (Itália)

Esta belíssima estrada que desce a colina em curvas suaves e cobertas de ciprestes é um dos cartões-postais da região da Toscana, na Itália. E não é um lugar fácil de achar, ou que esteja na rota turística tradicional. É preciso uma boa pesquisa prévia, setar as direções no GPS e dirigir até a minúscula comunidade de La Foce, de onde as míticas fotos da estrada são tiradas. Mas quando você chega lá…

Descobre que existe muito, mas muito tratamento nas imagens da bela estrada de La Foce. Primeiro porque ela fica longe, bem longe do ‘mirante’ – que é na verdade o muro de uma pequena igreja. As fotos da estrada são tiradas com muito zoom ou lentes de longo alcance, como uma 75-300 mm.

Segundo, existem fios de luz e postes no meio da cena bucólica, provavelmente removidos com um pouco de manejo no photoshop. Em resumo, se você quer uma boa foto da Toscana, vale a pena dirigir até La Foce. Se você quer uma bela vista romântica, só vai encontrar decepção.

Decepções de viagem - Estrada de Ciprestes de La Foce, na Toscana (Itália)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 19 – Mercado Flutuante de Damnoen Saduak, na Tailândia

Embora seja vendido como uma imagem das tradições milenares tailandesas, o mercado flutuante de Damnoen Saduak, localizado nos arredores da capital, Bangkok, já se tornou uma atração totalmente turística. Enquanto relaxa no banco de uma das inúmeras vans com ar condicionado que faz o trajeto de cerca de 100 quilômetros todos os dias cheias de viajantes, você mentaliza tailandeses com seus chapéus típicos guiando os ainda mais típicos ‘long tail boats’ – os compridos barcos de madeira usados pelos locais para se locomover.

⇒ Vai para Bagkok? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

A sua imaginação segue fabricando dezenas de barquinhos em meio aos canais da pacata cidade, onde vendem-se produtos como frutas, legumes, verduras, artesanatos e ouras coisas usadas pelos tailandeses no seu dia a dia comum. Mas, ao chegar, você vai descobrir seu ledo engano. O mercado flutuante de Damnoen Saduak é composto por imensos barracões que abrigam, em sua maioria, lojas de souvenires, roupas e restaurantes.

Nada artesanal, tudo ‘made in China’. Há homens segurando cobras gigantescas e cobrando para que os viajantes tirem fotos com elas. Até existem alguns barquinhos vendendo comida típica, mas são voltados para os turistas e cobram preço de turista. Além disso, o lugar fica superlotado após as 10h, sendo que há tantos barcos carregados de visitantes percorrendo os canais que às vezes não sobra espaço para passar e eles ficam presos uns nos outros.

Decepções de viagem - Mercado Flutuante de Damnoen Saduak, na Tailândia

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 20 – Cidade de Alexandria (Egito)

Tradicional passeio bate-volta feito desde o Cairo, é o maior ‘pega-turista’ que vimos nas nossas andanças pelo mundo. Os egípcios se aproveitam da fama da antiga capital do país, onde governou Cleópatra e que já abrigou uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo – o Farol de Alexandria -, para levar viajantes desavisados até uma cidade onde não existe mais NADA para ver. Tanto o tempo quanto a ação de frequentes terremotos trataram de ‘limpar’ de Alexandria qualquer resquício de sua grandiosidade de outras épocas.

⇒ Vai para Alexandria? Reserve aqui sua hospedagem pelo Booking ⇐

O tour por Alexandria trata-se de uma visita a catacumbas romanas, à Coluna de Pompeu (único resquício do Templo do Serapeu), ao forte medieval onde, um dia, esteve o Farol de Alexandria e à nova e moderna Biblioteca de Alexandria, um moderno empreendimento erguido em cima da fama da antiga construção egípcia, que também foi totalmente destruída por um terremoto. Ou seja, não há realmente NADA histórico ou interessante para se ver em Alexandria.

Decepções de viagem - Cidade de Alexandria (Egito)

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 21 – Checkpoint Charlie, em Berlim (Alemanha)

O Checkpoint Charlie, ou ‘ponto de verificação Charlie’, era a principal passagem para estrangeiros e diplomatas quando a capital da Alemanha era dividida em duas e separada pelo Muro de Berlim (1961 a 1990). Parece super interessante, mas sabe o que sobrou do checkpoint original para ver? Nada. Tudo o que hoje atrai uma multidão de visitantes nas esquinas das ruas Zimmerstrasse com a Friedrichstrasse é ‘fake’.

⇒ Reserve já seu hotel em Berlim e garanta os melhores preços! ⇐

No lugar onde antes ficava o verdadeiro checkpoint, hoje há uma reprodução da casa de guarda e dois atores cafonas que ficam à disposição dos turistas para fotos mais cafonas ainda (e pagas). Há ainda duas placas, uma alertando para a fronteira entre as Alemanhas Oriental e Ocidental e outra mostrando o rosto de um soldado de cada lado da fronteira. A única coisa interessante por lá é a exposição a céu aberto chamada de Wall Museum, onde é possível ver pedaços do muro original.

Checkpoint Charlie, em Berlim, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 22 – Cemitério da Recoleta, em Buenos Aires (Argentina)

Ir a um cemitério nunca é algo agradável de se fazer, muito menos nas férias. Nem mesmo um dos mais famosos do mundo é capaz de superar o mal estar que um ‘passeio’ desses gera na gente. O Cemitério da Recoleta, em Buenos Aires, é lar de 90 sepulturas tombadas como Monumento Histórico Nacional. A mais popular e procurada é a da ex-primeira-dama argentina Evita Perón, mas há muitas outras que ganharam o título pela beleza arquitetônica ou importância histórica.

⇒ Reserve já seu hotel em Buenos Aires e garanta os melhores preços! ⇐

O cemitério data de 1822, época em que o país era uma potência econômica e seus habitantes mais ilustres construíam túmulos suntuosos, planejados por arquitetos famosos e decorados com mármore e esculturas elaboradas. Mas não deixam de ser esculturas de túmulos, sombrias e tristes. Aliás, o clima silencioso e sinistro impera no lugar, que é um labirinto de ruelas de sepulturas. Não há beleza, alegria ou qualquer coisa que pareça justificar a visita, mesmo que seja de graça.

O Cemitério da Recoleta, em Buenos Aires, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 23 – Playa Blanca, em Cartagena (Colômbia)

A Playa Blanca é a única das praias de Cartagena, na Colômbia, que é banhada pelo Mar do Caribe. As outras são as Islas del Rosario, onde só é possível chegar de barco. O acesso por terra torna tudo muito mais fácil para os turistas, que podem chegar à Playa Blanca chamando um táxi, mas também para uma praga que assola a Colômbia… os vendedores! Eles não te deixam em paz um minuto e te perseguem oferecendo todo tipo de quinquilharia na qual você não tem o menor interesse.

⇒ Reserve já seu hotel em Cartagena e garanta os melhores preços! ⇐

Assim, se você vai à Playa Blanca esperando um dia relaxante em meio a areias branquinhas e mar azul fluorescente, prepare-se. Dezenas de vendedores e massagistas irão falar com você insistentemente para oferecer seus produtos e serviços. Um a cada cinco minutos mais ou menos. E ainda é preciso ficar com o olho atento nos seus pertences, pois há muitos furtos de turistas distraídos por lá. Não tem cenário caribenho paradisíaco que justifique tanto perrengue.

A Playa Blanca, em Cartagena, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 24 – Conciergerie, em Paris (França)

Normalmente, a Conciergerie é citada como uma das atrações imperdíveis de Paris. Mas ela não é tão imperdível assim… Não há muito o que ver neste antigo palácio, que foi transformado em prisão real e para onde, ironicamente, a Rainha Maria Antonieta foi enviada para aguardar o julgamento e execução na guilhotina. Há uma cela que recria o ambiente onde a monarca mais controversa da França passou seus últimos dias.

Tirando isso, não muito mais para ver além do imenso salão que antigamente servia como depósito da prisão e do memorial a todos os nobres e membros da família real que foram executados na guilhotina. Entre eles Maria Antonieta e seu marido, o Rei Luís XVI. Por isso, a visita é importante por sua carga histórica, mas não pelo visual. Se você não for um entusiasta da realeza francesa ou interessado na Revolução Francesa, pode tirar do seu roteiro em Paris sem medo de se arrepender.

Conciergerie, em Paris, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 25 – Tiger Kingdom (Tailândia)

As atrações turísticas com animais da Tailândia já andam na berlinda há algum tempo. Muitas já foram fechadas por maus-tratos e outras foram abandonadas pelos visitantes depois da divulgação de atrocidade cometidas em suas dependências. Mas ainda há muitas em funcionamento e elas atraem turistas com discursos de preservação e auxílio aos animais que nem sempre são verdade. É o caso do Tiger Kingdom, que possui unidades nas cidades de Chiang Mai e Phuket, na Tailândia.

⇒ Reserve já seu hotel em Chiang Mai e garanta os melhores preços! ⇐

Em seu site, esse zoo que abriga apenas tigres, ficou famoso no mundo todo por promover o encontro direto – com direito a fotos e filmagem – de humanos com esses animais tão perigosos. O Tiger Kingdom afirma que os animais que lá vivem são todos resgatados, tratados e, por fim, treinados para a convivência com humanos. Os ativistas dos direitos dos animais alegam que os tigres na verdade são mantidos sob o efeito de anestésicos para não atacarem os visitantes.

O Escolha Viajar leu os dois lados e decidiu tirar a prova durante uma viagem à Tailândia, em 2015. Pagamos o caríssimo ingresso para entrar na jaula e tirar fotos com os tigres adultos. Vimos alguns dormindo, alguns acordados, alguns se movimentando. Mas não temos mais a menor dúvida de que os bichos são dopados, alguns mais, outros menos. Saímos de lá com uma sensação péssima e a certeza de nunca mais entrar em um lugar que tenha sido denunciado.

O Tiger Kingdom, em Chiang Mai, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 26 – Ilha de Cozumel (México)

A Ilha de Cozumel, localizada no litoral da Riviera Maia (México) é uma daquelas clássicas ‘turistices’. Todo mundo diz para  ir porque todo mundo foi e ninguém tem coragem de dizer para os próximos visitantes que não passa de um lugar caro e sem quase nada para ver ou fazer que valha a pena. Bom, nós temos, hehe. A grande atração de Cozumel é o snorkel nas águas cristalinas do Mar do Caribe. Mas o mergulho lá é caro e não há grande variedade de peixes ou corais para ver.

⇒ Reserve já seu hotel em Cozumel e garanta os melhores preços! ⇐

Se você já fez snorkel em outras partes do mundo, pode dispensar Cozumel sem pensar duas vezes. A outra ‘atração’ é alugar um carro velho e dar a volta na ilha. De novo, caríssimo e sem quase nada de interessante para ver. E, por fim, nem todo mundo sabe que em Cozumel não há praias caribenhas de livre acesso (as que existem ficam dentro de resorts). É possível ir apenas às praias voltadas para o mar aberto. Ou seja, praias comuns, com mar escuro, revolto, areia grossa e muito vento.

A Ilha de Cozumel, no México, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 27 – Museo de la Revolucion, em Havana (Cuba)

Uma viagem a Cuba é um mergulho no tempo e em um mundo que podia ter sido diferente e melhor, mas não foi. Um dos pontos turísticos da capital, Havana, mais procurados pelos viajantes que procuram saber mais sobre a história da ilha é o Museo de la Revolucion. Localizado em pleno centro histórico da cidade, em um prédio que ainda guarda as marcas de bala disparadas durante a tomada do poder, o museu promete muito, mas acaba sendo uma grande decepção.

O acervo em exposição não passa de uma grande coleção de recortes de jornal antigos e alguns uniformes e acessórios militares. Tudo empoeirado e exposto em vitrines ultrapassadas. Até aí nenhuma grande surpresa, já que grande parte dos museus latino-americanos estão no mesmo estado de abandono. Mas o material também está exposto sem qualquer ordem cronológica ou explicações. Não há como entender a história da revolução cubana pelos olhos dos revolucionários…

Museo de la Revolucion, em Havana, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 28 – Museu do Titanic, em Belfast (Reino Unido)

O navio mais famoso do mundo, o Titanic, foi construído nos estaleiros da empresa Harland & Wolff, em Belfast, a capital da Irlanda do Norte (Reino Unido). Por isso, o bairro onde ela funcionava no início do século XX virou ponto turístico e tem várias atrações relacionadas ao navio – clique aqui para saber mais. Uma delas é o imenso e moderno Titanic Belfast, o maior museu do mundo dedicado à história trágica do navio.

⇒ Reserve já seu hotel em Belfast e garanta os melhores preços! ⇐

Mas, por maior e mais moderno que seja o museu, ele é bem decepcionante para quem espera ver objetos, fotos e documentos originais do Titanic. Não há nenhum lá, isso é contra a política do museu. Ele exibe uma gigantesca mostra interativa na qual é contada a história do navio, seu lugar na cultura pop e sua situação atual no fundo do oceano. Tudo muito tecnológico, com direito a hologramas, um mini-teleférico e projeção de cinema. Mas de histórico, nadinha…

O Museu do Titanic, em Belfast, foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Decepções de viagem 29 – Passeio de trem Curitiba-Morretes (PR)

O notório descaso do Brasil com seu sistema ferroviário nos proporciona a existência de linhas tão antigas que acabaram virando atrações turísticas. Uma delas é a Curitiba-Paranaguá, que vai da capital paranaense até a cidade de Morretes e vice-versa, subindo e descendo pela Serra do Mar. O passeio custa caro – a partir de R$ 125 – e é vendido como tendo vista para ‘belas paisagens’, ‘uma verdadeira volta ao passado’, uma chance rara de ‘experimentar o delicioso balanço do trem’.

⇒ Reserve já seu hotel em Curitiba e garanta os melhores preços! ⇐

Mas, na verdade é uma looooooooooonga viagem de 3 a até 4 horas em vagões em sua maioria sem ar condicionado (item presente apenas nos de luxo) e cujo único banheiro fica fedorento e sujo bem antes do fim do trajeto. Durante todo esse tempo a bordo é servido um único lanche e o carrinho de bebidas passa apenas uma vez. Além do desconforto, você ainda pode não ver muito das paisagens prometidas, pois a mata fechada predomina, assim como a neblina da região serrana.

Passeio de trem Curitiba-Morretes foi uma das nossas decepções de viagem

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Posts relacionados

Deixe um comentário

20 comentários

Adilson 8 de junho de 2019 - 04:29

Conheci alguns desses destinos e de fato o custo benefício de alguns passeios fazem a gente refletir. Principalmente depois que a gente esteve lá e lê matérias como essa. Na minha opinião faltou citar aqui o famoso bate e volta a Vina del Mar e Valparaiso nos arredores de Santiago no Chile. Valparaiso então… Que horror.

Responder
Escolha Viajar 8 de junho de 2019 - 19:19

Olá, Adilson!
Obrigada por compartilhar sua opinião e experiência conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Claudia 20 de Maio de 2019 - 19:02

Olá, obrigada pela reportagem
O único lugar que conheço é o trem que vai a Morretes! Hehehe
O trem é bastante quente sim, a viagem é demorada sim, não tem tanta paisagem…. mas é LINDO. Eu gostei muito!
O guia que estava fazendo a viagem e os comentários sobre história e geografia era absurdamente bem informado, parecia um professor. E as paisagens eram bonitas sim, apesar de não ser o tempo inteiro que tem vista aberta. Voltamos de VAN, a viagem de volta tinha paisagens bonitas também, e eu não concordo que é um passeio ‘de índio’!

Responder
Escolha Viajar 25 de Maio de 2019 - 11:23

Olá, Claudia!
Obrigada por compartilhar sua experiência e opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Jacqueline Trindade 24 de setembro de 2018 - 13:44

Parabéns pelo blog. Muito bacana e eu me revi em alguns desses lugares. Realmente na Torre Eiffel fomos, eu e meu marido, ao 2º andar, inclusive para o jantar, e foi simplesmente maravilhoso. Mas, subir além disso, nos pareceu que não valeria mesmo à pena o custo benefício.
Tici e Marquinhos, não assistimos à troca da guarda em Londres, mas sim a de Budapeste e foi realmente muito bacana, pra quem curte esse tipo de cerimônia. Ah! também concordamos sobre a atração do Relógio de Praga, ou seja, se tiver outras visitas na lista, melhor não perder esse tempo.

Responder
Escolha Viajar 30 de setembro de 2018 - 20:53

Olá, Jacqueline!
Obrigada por compartilhar sua experiência conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Luiz Steinbach 9 de dezembro de 2018 - 02:12

Excelentes comentários! Eu já fui a 15 destes destinos mencionados e, a cada um que lia, eu ria à medida que ia me lembrando do que passei pelas andanças por este mundo. Os cinco lugares nos quais não fui (e não irei), pareceu-me bastante claro que não vale a pena perder tempo. Um pena não ter lido esta matéria antes, pois eu teria economizado muito tempo e dinheiro. Parabéns!

Responder
Escolha Viajar 15 de dezembro de 2018 - 13:01

Olá, Luiz!
Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
CHRISTIANO BIDETTI MARDEGAN 7 de setembro de 2017 - 18:28

Olá Tici&Marquinhos, gostei muito do blog, mas sinceramente não concordo com algumas opiniões de vocês, mas tudo bem acho que tanto a opinião de vocês quanto a minha é de caráter pessoal. Sou um viajante assíduo só que agora eu e minha esposa temos um bebê, então gostaria de sugestões de lugares que possamos levar uma criança de dois anos e aproveitar também.
Obrigado

Responder
Escolha Viajar 12 de setembro de 2017 - 12:45

Olá, Christiano!
Nós não viajamos com crianças, então preferimos não opinar sobre o assunto.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Matheus Tozzato 30 de agosto de 2017 - 08:59

Estive em outubro de 2016 em Veneza, e já saímos o Brasil com essas informações que vocês postaram.
Mas chegando lá a situação é pior ainda. Os gondoleiros todos parados, exceto por alguns raros asiáticos que se amontoavam nelas com os paus de selfie. Realmente não é uma atração que chama a atenção, não vale o preço abusivo pelo que se oferece.
O Float Market da Tailândia, vocês esquecerem de mencionar o mau cheiro da água, porque rola um esgoto lá, e muitos dos barcos que fazem comida, descartam os restos na água também.
Já o Coliseu eu discordo. Achei impressionante o lugar e fiquei um bom tempo lá dentro. A fila apesar de longa, não demorou mais do que 15 minutos de espera. O inconveniente são os guias oferecendo serviços do lado de fora, mas isso não tem nada a ver com a atração.

Responder
Escolha Viajar 3 de setembro de 2017 - 07:02

Olá, Katy!
Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Fabiana araujo 18 de agosto de 2017 - 17:01

Comecei a ter toque por viagem em 2013 depois de uma separação, vontade de conhecer esse Brasil tão cheio de diversidades e outros lugares fora.

Obrigada pelas dicas, são de grande valia.

Responder
Escolha Viajar 18 de agosto de 2017 - 23:17

Olá, Fabiana!
Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Diulia de Paulo 17 de agosto de 2017 - 15:41

Muito bom, posso compartilhar no meu site? Vou dar os créditos!

Responder
Escolha Viajar 18 de agosto de 2017 - 00:14

Olá, Diulia!
A reprodução de material do Escolha Viajar só pode ser feita mediante pagamento. Se tiver interesse, por favor entre em contato conosco por e-mail que lhe passaremos os valores ([email protected]).
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
Gisele 17 de agosto de 2017 - 10:47

Discordo de alguns:
Coliseu: achei impressionante o interior e justamente imaginar o que acontecia ali que é o mais interessante.
Oia: Fui em julho, alta temporada pra Santorini e vi o por do sol sem nenhum problema. Não fiquei no castelo onde a maioria fica. Me coloquei mais próximo aos moinhos de vento onde a vista é a mesma e foi super tranquilo (super meeeesmo).

Responder
Escolha Viajar 18 de agosto de 2017 - 00:15

Olá, Gisele!
Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder
katy 18 de outubro de 2016 - 17:17

Gostei muito do blog!
é a minha primeira vez por aqui.
Não sabia que esses lugares eram assim.
Fora que tem que se espremer nesses lugares para tentar conseguir uma foto;

Responder
Escolha Viajar 29 de agosto de 2017 - 06:30

Olá, Katy!
Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
Um abraço,
Tici&Marquinhos

Responder